Venezuela intervém em polícia por suposta violação de direitos humanos

Caracas, 12 jun (EFE).- O governo da Venezuela interveio nesta segunda-feira na polícia do estado de Miranda, que é governado pelo opositor Henrique Capriles, devido à suposta participação de seus agentes em violações de direitos humanos.

"Fica oficializada a intervenção na corporação de polícia do estado de Miranda depois de avaliar os resultados das investigações", indicou no Twitter o ministro de Interior e Justiça, Néstor Reverol.

O ministro assegurou que existem "elementos suficientes de certeza que indicam a participação de agentes em violações de direitos humanos e em organizações criminosas".

Reverol também explicou que foi constituída uma junta interventora que, durante 180 dias, terá autorização para realizar uma auditoria integral na corporação policial.

Através de um comunicado, o Ministério do Interior acrescentou que tal junta estará integrada por cinco pessoas e que a corporação policial será agora dirigida por Regulo Argotte e José Maita, como diretor e subdiretor, respectivamente.

Capriles, por sua vez, qualificou a medida de "ataque político à institucionalidade" do estado que ele governa.

O governo interveio em várias corporações policiais nos últimos cinco anos e, mais recentemente, fez o mesmo com a polícia do estado de Lara, no centro-oeste do país, que também é governado por um opositor, Henri Falcón.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos