Rússia suspende cooperação para evitar incidentes no espaço aéreo da Síria

Moscou 19 jun (EFE).- O Ministério de Defesa da Rússia anunciou nesta segunda-feira a suspensão da cooperação com os Estados Unidos dentro do memorando para evitar incidentes no espaço aéreo da Síria.

Além disso, o Ministério russo advertiu que qualquer aeronave, avião ou drone da coalizão internacional liderada pelos EUA que seja detectado no espaço aéreo sírio a oeste do rio Eufrates será acompanhado "na qualidade de alvo aéreo" pelas defesas antiaéreas russas.

Este anúncio acontece um dia depois que uma caça F18E Super Hornet americano abateu um avião sírio Su-22, depois que a aeronave, que é de fabricação russa, efetuou um bombardeio perto da localidade de Al Tabqa, que fica cerca de 62 quilômetros a oeste da cidade de Al Raqqa, no nordeste da Síria.

"A queda do avião das Forças Aéreas sírias pela aviação americana no espaço aéreo da Síria é uma cínica violação da soberania da República Árabe Síria", denunciou a Defesa em comunicado.

A Defesa acrescentou que considera estas ações do comando americano como "um não-cumprimento consciente das suas obrigações" no marco do memorando para evitar os incidentes e garantir a segurança dos voos durante as operações na Síria, assinado em 20 de outubro de 2015.

A coalizão internacional liderada pelos EUA justificou a queda do avião sírio com o seu direito a defender seus aliados, as milícias de Forças da Síria Democráticas (FSD), após um suposto ataque das forças leais ao presidente Bashar al-Assad.

Pouco antes do anúncio de Defesa, o número dois da diplomacia russa, Sergey Riabkov, qualificou diretamente de "agressão" a queda ontem de um avião do Governo sírio por parte dos Estados Unidos e denunciou essa ação como uma violação direta do direito internacional.

"Se isto não for um ato de agressão, é uma violação direta do direito internacional", disse Riabkov em declarações à imprensa local.

O vice-ministro de Exteriores manifestou que a queda do avião sírio "deve ser investigada, antes de tudo, como uma continuação da política americana de desprezo das normas do direito internacional". EFE

bsi/ff

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos