FBI descarta relação de ataque que feriu congressista nos EUA com terrorismo

Washington, 21 jun (EFE).- O FBI descartou nesta quarta-feira vínculos ou motivos terroristas no ataque da semana passada em Alexandria (Virgínia), nos arredores de Washington, com um saldo de cinco feridos, entre eles um congressista republicano, ao detalhar que o suspeito sofria de problemas mentais e atuou sozinho.

Ainda que a investigação siga "ativa" com a tomada de evidências, neste momento o FBI não acredita que haja nenhuma "conexão com o terrorismo", segundo explicou em um comparecimento de imprensa Andrew Vale, diretor interino do FBI.

Por isso, o FBI está investigando os fatos de 14 de junho como um "ataque a um membro do Congresso e a um oficial federal", detalhou Vale.

O ataque aconteceu durante a manhã, quando James Hodgkinson, de 66 anos e natural do estado de Illinois, realizou vários disparos contra congressistas republicanos, familiares e assessores que treinavam em um campo de beisebol em Alexandria.

Além do congressista Steve Scalise, "número três" republicano na Câmara baixa, Hodgkinson feriu outras quatro pessoas, entre eles dois agentes da polícia.

Hodgkinson morreu após ser atingido por disparos desses dois agentes, encarregados da proteção de Scalise e que evitaram uma tragédia maior.

Os detalhes da investigação divulgados hoje pelo FBI corroboram o que já tinha sido apontado por um testemunha, que disse que o suspeito perguntou se eram os republicanos que estavam usando o campo de beisebol no momento do ataque.

Hodgkinson tinha expressado nas redes sociais o seu desacordo com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e tinha viajado em março desde Illinois para Alexandria, onde vivia em sua caminhonete, segundo as autoridades.

O agente do FBI Timothy Slater, encarregado da investigação, revelou hoje que entre os pertences do suspeito foi achado "um pedaço de papel que continha os nomes de seis membros do Congresso".

De acordo com Slater, Hodgkinson não tinha um histórico conhecido de doença mental, mas sofria de problemas relacionados à ira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos