Cresce o número de usuários e vítimas dos derivados de ópio

Viena, 22 jun (EFE).- Cerca de 35 milhões de pessoas consumiram algum tipo de opioide (ópio, morfina, heroína e derivados sintéticos) em 2015, drogas que seguem causando o maior impacto negativo na saúde e cujo abuso alcançou dimensões epidêmicas nos Estados Unidos.

Este é um dos elementos destacados pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC, sigla em inglês) em seu Relatório Mundial sobre Drogas de 2017 apresentado hoje.

"Os opioides (categoria que inclui todos os derivados da papoula, inclusive os sintéticos), entre eles a heroína, continuam sendo as drogas mais nocivas para a saúde", lembrou a UNODC em seu relatório.

Além do perigo de overdose, a ONU adverte que o consumo de opioides está associado ao risco de contrair doenças como a Aids, devido à prática perigosa de consumi-los através de injeções.

"O dano causado pelos opioides, um problema que aflige muitos países, fica especialmente claro nos Estados Unidos da América", exemplificou a UNODC em seu relatório.

Nesse país, o uso indevido de medicamentos opioides e o aumento do consumo de heroína e fentanil (um analgésico sintético 50 vezes mais potente que a heroína) "desencadeou uma epidemia combinada e inter-relacionada, bem como o aumento da morbidade e da mortalidade relacionada com os opioides".

Nos EUA, as mortes por overdose, a maioria derivada do uso de opioides, dispararam de 16.849 em 1999 para 52.404 de 2015.

Somente no ano passado, de acordo com o relatório, o número de vítimas cresceu 11,4%. Assim, os opioides provocam nos Estados Unidos mais mortes que os acidentes de trânsito e a violência.

A UNODC também situa os Estados Unidos como exemplo do complexo cenário apresentado pelo consumo de opioides, em que o abuso de drogas ilegais como a heroína se mistura com o de medicamentos de venda com receita controlada que são desviados dos circuitos legítimos ou falsificados diretamente.

O relatório indica que a produção mundial de ópio subiu 33% em 2016, para 6.380 toneladas, tanto devido ao aumento da superfície cultivada de papoula como pelo maior rendimento das plantações no Afeganistão, o principal produtor.

Apesar desse aumento, a produção não conseguiu superar a cifra recorde de 2014.

A UNODC detectou uma mudança nas rotas pelas quais a droga atravessa o Afeganistão e chega à Europa.

A conhecida "rota dos Balcãs" continua sendo a principal via de trânsito, mas, nos últimos anos, foi aberto um caminho alternativo através do Cáucaso, que evita a Turquia.

O aumento do fluxo migratório para a Europa Ocidental a partir da Turquia, através dos Balcãs, e o conseguinte reforço na segurança fronteiriça "pode ter obrigado os traficantes a buscarem novas opções".

Assim, a apreensão de heroína e morfina diminuiu na Bulgária, Grécia e Turquia entre 2014 e 2015, em comparação com o período 2012-2013, enquanto que aumentaram as remessas interceptadas na rota que passa por Armênia, Azerbaijão e Geórgia, e através do Mar Negro, da Ucrânia e da Romênia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos