Deslizamento de terra mata 15 pessoas e deixa 120 desaparecidos na China

(Atualiza com número de mortos).

Xangai (China), 24 jun (EFE).- Um deslizamento de terra ocorrido neste sábado, na província de Sichuan, no sudoeste da China, provocou o desabamento de dezenas de casas, matando pelo menos 15 pessoas e deixando 120 desaparecidos, de acordo com informações da imprensa chinesa.

Até o momento foram achados 15 corpos sem vida e apenas três pessoas foram resgatadas vivas, segundo informou o jornal independente "South China Morning Post", mas a cifra de mortos deve aumentar consideravelmente, uma vez que o povoado ficou completamente sepultado.

Segundo especialistas em geologia citados pela agência estatal "Xinhua", que se encontram no local, a possibilidade de sobrevivência das pessoas soterradas é realmente escassa.

As autoridades do condado de Maoxian comunicaram que o incidente aconteceu depois que a parte alta de uma montanha caiu sobre a aldeia de Xinmo, por volta das 6h (horário local, 19h de Brasília de sexta-feira).

Pelo menos 62 casas ficaram soterradas, enquanto dois quilômetros do curso de um rio e 1.600 metros de uma estrada ficaram sepultados pelas rochas.

Segundo informou o governo local o deslizamento ocorreu devido às intensas chuvas que caíram na região.

Inicialmente, a "Xinhua" informou que a cifra de desaparecidos era de 141, mas depois a reduziu para 120 sem detalhar se as demais pessoas foram resgatadas.

Por outro lado, afirmou que três pessoas de uma mesma família foram resgatadas, cinco horas após o deslizamento de terra, e levadas a um hospital sem ferimentos graves, mas que outro filho da família permanece soterrado na casa.

De acordo com o porta-voz do governo de Sichuan, Tang Limin, uma equipe de resgate com mais de mil pessoas seguiu para o local com retroescavadeiras e um instrumento de detecção de vida.

Imagens divulgadas pela emissora de televisão oficial "CCTV" mostram diversos soldados levantando pesadas pedras e várias retroescavadeiras trabalhando na região onde estavam as pessoas que ficaram soterradas.

O governo provincial iniciou o nível mais alto de resposta de socorro em caso de desastre enquanto que o presidente do país, Xi Jinping, ordenou que se ponham todos os esforços no resgate dos possíveis sobreviventes.

"As autoridades devem esforçar-se ao máximo para reduzir as baixas e prevenir desastres secundários", disse Xi, que acrescentou que os desaparecidos e os que sofram perdas pelo desastre "devem receber o cuidado apropriado".

Nesta época do ano, são frequentes as chuvas torrenciais na China e é comum que aconteçam inundações, deslizamentos e outras catástrofes provocadas pelos fenômenos climáticos.

Segundo informou hoje a "Xinhua", nas províncias de Hunan e Hubei, no centro da China, as inundações provocadas pelas chuvas dos dois últimos dias afetaram 466.500 pessoas e causaram pelo menos duas mortes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos