Final da Copa das Confederações ameaça participação em primárias no Chile

Santiago (Chile), 1 jul (EFE).- A seleção do Chile enfrenta a Alemanha na final da Copa das Confederações neste domingo, na Rússia, com grandes chances de conquistar o maior título de sua história, mas a preocupação entre os políticos do país é outra: o futebol pode atrapalhar a participação nas primeiras eleições primárias presidenciais organizadas por lei.

No primeiro pleito em que chilenos no exterior poderão votar, há 13,5 milhões pessoas aptas a ir às urnas, mas diferentes grupos políticos do país consideram como sucesso se apenas 1 milhão deles dedicar parte de seus domingos para participar das primárias.

Os líderes da coalizão direitista Chile Vamos, por exemplo, reduziram a previsão para 600 mil votos. Já a esquerdista Frente Ampla, que estreia nas urnas, já considera um triunfo o fato de estar nas cédulas de votação.

Cerca de 40 mil homens das Forças Armadas estarão nas ruas do país para garantir a segurança nos 1.865 locais de votação, a maioria deles montados em escolas.

A segurança, em todo caso, será relaxada por causa da coincidência peculiar. Se o Chile vencer a Copa das Confederações, as pessoas estarão autorizadas a comemorar nas ruas, afirmou o general e chefe do Exército na região de Santiago, Oscar Mezzano.

Até ontem, vários pedidos de adiamento das eleições foram registrados no Serviço Eleitoral (Servel), todos eles negados pelo presidente do órgão, Patricio Santamaría, que alegou que a data está prevista na chamada Lei de Primárias.

Segundo as autoridades, não haverá problemas caso os mesários levem televisores pequenos para as seções eleitorais para assistir à partida histórica enquanto trabalham no pleito.

Pelo Chile Vamos, disputam o ex-presidente Sebastián Piñera, o senador Manuel José Ossandon e o deputado Felipe Kast. Na Frente Ampla, a jornalista Beatriz Sánchez e o sociólogo Alberto Mayol se enfrentam para decidir quem será o candidato à presidência.

A coalizão governista Nova Maoiria não participará das primárias. Os integrantes do partido da aliança não chegaram a uma decisão sobre o processo, especialmente depois da decisão da Democracia Cristã (DC) de que a senadora Carolina Goic será a candidata do partido nas eleições presidenciais de 19 de novembro.

A crise interna fez com que vários candidatos desistissem da disputa. Sobrou apenas o senador independente Alejandro Guillier.

Próximo ao Partido Radical, Guillier recebeu muitas críticas ontem, quando pediu que seus simpatizantes não votem no domingo.

"Façam um churrasco e vejam a final da Copa das Confederações", afirmou o senador.

Mais tarde, Guillier voltou a trás e disse que as primárias são uma "festa cidadã" que precisa ser respeitada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos