Com mensagem de violência, Trump reforça ataques à imprensa nas redes sociais

Raquel Godos.

Washington, 2 jul (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reforçou nesta semana seus ataques contra jornalistas e veículos da imprensa do país, fazendo uso de graves insultos e até utilizando vídeos violentos, como o publicado neste domingo contra a emissora "CNN".

Após vários dias de polêmica e duras críticas aos apresentadores do programa "Morning Joe", da "MSNBC", Trump dirigiu sua ira hoje à "CNN", através de uma montagem em vídeo no qual aparece agredindo um homem que leva o logotipo da emissora perto de um ringue.

O vídeo fazia parte de uma série de tweets que o presidente publicou ao longo do fim de semana, mensagens na qual Trump reiterou os ataques aos veículos que considera "falsos e fraudulentos".

Além disso, Trump defendeu a possibilidade de se pronunciar diretamente pelas redes sociais. Disse que isso o torna um "presidente moderno". Além disso, sugeriu uma mudança de nome para o apelido criado por ele próprio para a CNN. Sai o termo "CNN Notícias Falsas" e entra "Notícias Fradulentas CNN".

O vídeo original, que foi editado para incluir o logo da emissora, é de 2007, quando Trump "brigou" com o diretor-executivo da World Wrestling Entertainment, Vince McMahon, durante um evento que foi batizado como a "Batalha dos Bilionários".

Trump e McMahon escolheram lutadores para representá-los no ringue, mas, em um momento da luta, Trump se aproximou de McMahon, que estava do lado de fora das cordas, o derrubou no chão e deu socos contra seu rosto. A cena era uma parte do espetáculo.

"É um dia triste quando o presidente dos Estados Unidos encoraja a violência contra os jornalistas", indicou a "CNN" em um comunicado após a publicação do vídeo.

"Claramente, (a porta-voz adjunta da Casa Branca) Sarah Huckabee Sanders mentiu quando disse que o presidente não o tinha feito", completou a emissora sobre a agressão mostrada no vídeo.

Na quinta-feira, após outra polêmica de Trump por atacar e insultar dois apresentadores da "MSNBC", Sanders disse que o presidente "de nenhuma forma promoveu ou encorajou a violência".

"Em vez de se preparar para sua viagem ao exterior, para sua primeira reunião com (o presidente da Rússia) Vladimir Putin, de lidar com a Coreia do Norte e trabalhar no seu projeto de lei de saúde, está se ocupando em ter um comportamento juvenil, muito abaixo da dignidade de seu cargo", ressaltou a "CNN",.

Além disso, a "CNN" reiterou que continuará fazendo seu trabalho como empresa de jornalismo e disse que Trump deveria começar a fazer o seu como presidente do país.

A comentarista conservadora da "CNN" Ana Navarro criticou duramente o presidente no programa "This Week", da "ABC", após a publicação do vídeo.

"É inaceitável, é uma incitação à violência. Vai conseguir que alguém da imprensa seja assassinado", indicou a jornalista.

No mesmo programa, o assessor de segurança nacional de Trump, Thomas Bossert, negou que o vídeo trazia uma ameaça e ressaltou o direito do presidente de se defender dos ataques dos jornalistas.

Na quinta-feira, Trump disse ter ouvido que o programa "Morning Joe" estava falando mal de seu governo. Também pelo Twitter, o presidente atacou a apresentadora Mika Brzezinski, chamando-a de "louca", e seu companheiro, Joe Scarborough, de "psicopata".

Os dois conhecidos jornalistas costumam fazer críticas ao presidente no programa. Recentemente, eles repercutiram a notícia, publicada inicialmente pelo "The Washington Post", sobre as capas falsas da revista "Time", com Trump em destaque, e que estavam nas paredes de vários clubes de golfe do republicano.

"Esse é um presidente que combate fogo com fogo, não vai se deixar intimidar pela imprensa liberal, pelas elites liberais dos meios de comunicação ou de Hollywood, nem por ninguém", justificou na época um porta-voz da Casa Branca.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos