Dilma, Assange e Chomsky pedem liberdade de deputada argentina do Parlasul

Buenos Aires, 3 jul (EFE).- A ex-presidente Dilma Rousseff, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, e o linguista americano Noam Chomsky assinaram, ao lado de 200 personalidades, um texto publicado nesta segunda-feira que pede a deputada Milagro Sala, do Parlamento do Mercosul (Parlasul), ligada ao kirchnerismo.

É uma campanha internacional em apoio à líder da organização social Tupac Amaru da província argentina de Jujuy lançada pelo Comitê para a Liberdade de Milagro Sala. O grupo denuncia que a prisão da parlamentar foi arbitrária e ilegal.

A deputada foi detida em Jujuy em janeiro do ano passado por organizar um protesto contra o governador da província, Gerardo Morales, mas permaneceu presa preventivamente depois de ser acusada por corrupção e outros crimes.

Sala lidera a Tupac Amaru, um movimento nascido em 1999 com o objetivo de construir casas, escolas e unidades de saúde para os mais desfavorecidos no norte da Argentina, a região mais pobre do país, através de doações e ajudas concedidas pelo governo.

A ativista foi eleita para o Parlasul em dezembro de 2015, dentro das listas do kirchnerismo, mas não pôde assumir o cargo. Por isso, a prisão foi questionada por vários órgãos internacionais, como a ONU, a Organização dos Estados Americanos (OEA), e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

"Lançamos um pedido ao presidente Mauricio Macri para que cumpra a resolução do Grupo de Trabalho da ONU e liberte Milagro Sala", afirmou Mara Brawer, coordenadora do comitê em defesa da ativista, em coletiva de imprensa concedida hoje em Buenos Aires.

Quem quiser apoiar a campanha pode assinar o texto através do site www.liberenamilagro.org.

"A petição está aberta, mas já temos a assinatura de Dilma Rousseff, Cristina Kirchner, Julian Assange, Noam Chomsky, do bloco progressista do Parlamento Europeu, e de mais de 200 figuras nacionais e internacionais", disse Brawer.

O governo de Macri afirma que a decisão de libertar Sala cabe à Justiça.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos