PUBLICIDADE
Topo

Premier iraquiano chega a Mossul e parabeniza Exército por vitória sobre o EI

09/07/2017 11h14

(atualiza com mais detalhes)

Mossul (Iraque), 9 jul (EFE).- O primeiro-ministro do Iraque, Haider Al-Abadi, chegou neste domingo à cidade "liberada" de Mossul e parabenizou os combatentes e o povo iraquiano pela grande "vitória conquistada" sobre os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI).

Segundo informou a equipe de comunicação de Abadi em mensagem na rede social Twitter, "o primeiro ministro chegou à cidade liberada de Mossul e parabenizou os combatentes heroicos e o povo iraquiano pela grande vitória conquistada".

A expectativa é que Abadi anuncie a derrota final do EI nas próximas horas, após vários representantes militares terem antecipado desde sábado que o fim dos extremistas era iminente.

Após parabenizar as forças de segurança, Abadi se dirigiu à sede da Polícia Federal para se encontrar com os principais comandantes e militares das diferentes unidades que participam da operação que já dura nove meses.

Além disso, escutou deles uma "explicação detalhada", segundo um comunicado da assessoria de imprensa da presidência, sobre os próximos passos que serão tomados para anunciar a liberdade total da cidade.

De acordo com a emissora iraquian "Al Iraqiya", o líder das Forças Armadas se reuniu principalmente com o comandante das Operações Conjuntas, general Abdelamir Yarala, que resumiu os últimos dias da campanha militar.

O comandante das Forças Antiterroristas, Ali Awad, disse à Agência Efe nesta manhã que alguns combatentes do EI ainda resistiam em uma pequena localidade na parte antiga de Mossul.

Awad acrescentou que os combates estavam muito violentos e advertiu que ainda havia centenas de famílias na região onde estavam os jihadistas, que tinham multiplicado nos últimos dias o uso de suicidas com explosivos.

A ofensiva para expulsar o EI de Mossul e de toda a província de Ninawa, no norte do Iraque, começou em outubro de 2016 e desde então as tropas iraquianas, apoiadas por milícias e pelo exército curdo peshmerga, recuperaram amplos territorios que os extremistas tinham ocupado 2014.