Morte de mafioso na Índia gera protestos que terminam com vítimas

Nova Délhi, 13 jul (EFE).- As autoridades indianas mantêm nesta quinta-feira o toque de recolher em um povoado no Rajastão onde uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas, depois do assassinato de uma mafioso da região em distúrbios nos quais a comunidade Rajput pedia uma investigação em torno das causas da morte do criminoso.

O vice-diretor-geral de polícia, N. Ravindra Kumar, indicou à Agência Efe que os incidentes ocorreram ontem em Saanvrad, o povoado natural de Anandpal, um mafioso com 38 casos abertos, entre eles assassinato e extorção, que foi morto em 24 de junho em combates com a polícia.

"28 policiais ficaram feridos pela violência (...), muitos deles com fraturas múltiplas; um civil morreu e quatro ficaram feridos", explicou Kumar.

Segundo o responsável policial, entre 25 mil e 30 mil pessoas protestaram ontem em Saanvrad pedindo uma investigação sobre as circunstâncias do morte de Anandpal, depois que sua família e membros da sua comunidade afirmaram que morreu em um "falso enfrentamento".

"De repente a multidão ficou violenta e entre 3 mil e 4 mil pessoas começaram a destruir a via ferroviária", narrou Kumar, ao explicar que então a polícia dispersou as pessoas com gás lacrimogêneo.

Kumar acrescentou que o responsável policial da zona foi até o lugar, onde ficou ferido e seu veículo foi incendiado; além de três armas, incluído um fuzil AK-47, que foram roubadas da Polícia.

As autoridades declararam o toque de recolher em Saanvrad e em três distritos foi interrompido o serviço de internet.

Os incidentes ocorreram em meio à recusa da família de cremar o corpo do mafioso em demanda de uma investigação federal.

Kumar explicou que o mafioso foi morto em um combate com a Polícia no qual três agentes ficaram feridos, um deles ainda em estado crítico no hospital.

A família de Anandpal inicialmente demorou uma semana em recolher o corpo e que desde então o manteve em casa negando-se a cremá-lo.

Kumar acrescentou que a Comissão estatal de Direitos Humanos ordenou cremar o corpo e se a família não fizer, a polícia deverá tomar o corpo e realizar o procedimento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos