Trump vira tema de cafeteria em um dos países mais muçulmanos do mundo

Azad Majumder.

Daca, 14 jul (EFE).- Após brigar com as autoridades de Bangladesh para convencê-las de que o presidente dos Estados Unidos não tinha nada a ver com seu negócio, um empresário decidiu usar o nome de Donald Trump para ser o tema de sua cafeteria na capital de um dos países com a maior população muçulmana do mundo.

A loja foi formalmente aberta há mais de dois meses, mas Saiful Islan, o proprietário, afirma que ainda precisa fazer ajustes. Quer preparar tudo para que a inauguração fique à altura de suas expectativas, as de um seguidor declarado do polêmico presidente americano em um país de 160 milhões de pessoas, 90% delas muçulmanas.

"Ainda faltam alguns ajustes. Assim que terminar, vou inaugurá-la em grande estilo. Convidarei a embaixadora americana", disse Saiful à Agência Efe.

Ainda não há muito no interior desta cafeteria de Daca que a transforme em um lugar esteticamente diferente, a não ser uma grande imagem de papelão do presidente americano na porta de entrada para deixar claro que o visitante está entrando em um território de Trump.

Saiful Islan afirma que se inspirou no Bellville Cafe, no Texas, cujo dono decidiu renomeá-lo como Trump Cafe durante a campanha eleitoral americana.

"Eu também estava procurando um nome. Quando escolhi 'Trump Café', meus amigos riram de mim, mas estava decidido a começar meu negócio com o nome de Trump, alguém que considero um grande empresário", explicou Saiful.

Mas não foi fácil. Primeiro, teve que convencer as autoridades administrativas do país de que ele era o verdadeiro dono do negócio.

"Tive que convencê-los de que o presidente Trump não tem interesse direto em Bangladesh. Finalmente, me deram a licença em 17 de janeiro, três dias antes da posse" presidencial, indicou.

Dentro do estabelecimento, decorado com fotos do polêmico empresário americano nas janelas e na porta da cozinha, o freguês pode experimentar o "coquetel Trump", feito de xarope de morango, refrigerante, suco de limão e gelo.

Para comer, a pedida é o sanduíche "Trump Subway", que vem com frango, repolho roxo, cenoura, pepino e quatro tipos de maionese.

Como opção para os vegetarianos, o cardápio tem a "salada Trump" e também o "Chopsuey Trump". Além disso, há outra opção de "coquetel Trump", de maçã verde, sem álcool e cuja receita Saiful conta que conseguiu com um tio que trabalhou em um restaurante de Nova York cujo dono é o presidente americano.

Com todas estas opções, Saiful espera convencer seus clientes de que Trump não é uma pessoa ruim nem antimuçulmano.

"A proibição de viagem é para cidadãos de países problemáticos e não acredito que afete os bengalis", disse o empresário, que não acredita que terá problemas com seus detratores porque Trump "não fez nenhum movimento antimuçulmano" desde que chegou à presidência.

"Sua primeira viagem foi a um país muçulmano, as pessoas agora entendem que não é um cara mau", disse.

Os clientes parecem aprovar o ambiente da cafeteria. É o caso de Priyanka Nandi, que visitou o café pela primeira vez e disse que está "entusiasmada" em ter Trump "por toda parte".

Já Fariah Jahan, inclusive, fez uma 'selfie' com o cartaz de Trump na entrada.

"Não é só Trump; o preço da comida é razoável", explica.

Saiful diz que já está dando 10% de desconto a estudantes, e pretende lançar um clube de clientes do local para que possam aproveitar novas ofertas.

Uma vantagem que todos os visitantes já têm é a do acesso à rede wi-fi "trumpcafe", que pode ser acessada com a senha "ivankatrump". EFE

am-jlp/cs/lvl

(fotos) (vídeo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos