França nega "categoricamente" que Humala e sua esposa tenham pedido asilo

Lima, 17 jul (EFE).- A embaixada da França no Peru negou nesta segunda-feira "categoricamente" em um comunicado que o ex-presidente peruano Ollanta Humala e sua esposa, Nadine Heredia, tenham solicitado asilo antes de um juiz ordenar a prisão preventiva de ambos por 18 meses enquanto são investigados por crimes de corrupção.

O jornal "Exitosa" publicou na sua edição de domingo que Humala e Nadine planejavam pedir asilo à embaixada francesa em Lima, onde supostamente planejavam comparecer no dia 14 de julho para uma cerimônia em comemoração do Dia da Bastilha, plano que supostamente foi frustrado com a prisão dos dois horas antes.

Segundo o mesmo jornal, o advogado de Nadine, Wilfredo Pedraza, tinha pedido que a audiência judicial pelo pedido de prisão preventiva fosse realizada um dia depois para que Humala e sua esposa pudessem ter tempo de se refugiar na embaixada da França.

O ex-presidente e a ex-primeira-dama se colocaram à disposição do juiz Richard Concepción Carhuancho, titular do Primeiro Juizado de Investigação Preparatória Nacional, instantes depois de o magistrado ordenar a prisão preventiva de 18 meses.

Os dois são investigados pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação ilícita para delinquir no financiamento recebido pelo Partido Nacionalista Peruano (PNP) para as campanhas das eleições presidenciais de 2006 e 2011.

Entre as investigações está a suspeita de que ambos receberam dinheiro público da Venezuela por parte de Hugo Chávez para a campanha de 2006 e US$ 3 milhões da construtora Odebrecht para as eleições de 2011, vencidas por Humala.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos