Líder do Senado diz que reforma de saúde será avaliada após pedido de Trump

Washington, 19 jul (EFE).- O líder da maioria republicana no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, afirmou nesta quarta-feira que considerará a proposta de reforma da saúde para revogar o sistema conhecido como Obamacare após o presidente do país, Donald Trump, ter voltado a insistir no assunto.

McConnell abandonou as tentativas para substituir a lei do ex-presidente Barack Obama depois que pelo menos quatro senadores republicanos terem se negado a apoiar o texto proposto por Trump, tornando praticamente impossível que ele fosse aprovado.

Encurralado, o líder republicano optou por apresentar um novo projeto, que contemplaria dois anos de margem para elaborar um plano alternativo, também sem sucesso. Trump então disse ontem que deixaria que o Obamacare "colapsar por si mesmo".

No entanto, hoje o presidente mudou de opinião. Após se reunir com os senadores de seu partido, pediu que eles não deixem a cidade para as férias de verão sem solucionar a reforma da saúde.

McConnell disse que irá aceitar o pedido, mas não está claro se colocará a revogação do Obamacare para votação, com os republicanos adiando a elaboração de um plano para substituí-lo, ou se haverá uma votação para revogar e substituir a atual legislação.

"Na próxima semana estaremos votando a moção para continuar, e tenho todas as expectativas que poderemos chegar ao projeto de lei", disse McConnell após o almoço com Trump na Casa Branca.

O líder do Senado precisa de 50 votos para fazer avançar a moção. Apesar de os republicanos possuírem 52 senadores, é pouco provável que McConnell consiga apoio suficiente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos