Macri admite lentidão de reformas e pede que argentinos pensem a longo prazo

Buenos Aires, 21 jul (EFE).- O presidente da Argentina, Mauricio Macri, admitiu a lentidão das reformas adotadas durante seu mandato, mas pediu confiança aos argentinos para construir "bases sérias pensando no médio e longo prazo".

Em um ato de campanha da coligação Mudemos na cidade de Mendoza (oeste), onde foram apresentados os candidatos às eleições primárias do próximo mês, o presidente reconheceu que "o resultado econômico ainda não chegou para muitíssimos argentinos", mas se justificou ao dizer que assumiu o governo "após cinco anos de estagnação".

"Não se constrói um país em 15 meses", afirmou Macri, que pediu o voto dos argentinos porque "estamos na boa direção".

O presidente reduziu o aumento do crédito hipotecário como mostra de que o país agora começa a ser confiável e credível; unido a um crescimento do PIB que estimou em mais de 3% para 2017, e à geração de emprego.

"Já tentamos mentindo, buscando o atalho, nos isolando do mundo", foi a crítica do líder da Mudemos em referência ao governo anterior - liderado por Cristina Kirchner -, e definiu as primárias como um pleito entre "mentiras e verdade" e entre "corrupção e transparência".

"Não queremos viver mais com um INDEC (Instituto Nacional de Estatística e Censos) que nos diga o que queremos ouvir, por mais que seja uma mentira gigantesca", afirmou Macri, que assegurou que, sob sua gestão, foi possível conhecer o alcance real da pobreza e da insegurança.

Nas primárias de agosto será escolhida a lista de candidatos de cada partido ou coligação que concorrerá nas eleições legislativas de outubro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos