Autoridades muçulmanas pedem continuação de protestos na Mesquita de Al-Aqsa

Jerusalém, 25 jul (EFE). - As principais instituições muçulmanas nos territórios palestinos pediram nesta terça-feira aos fiéis para continuar com os protestos nas proximidades da Esplanada das Mesquitas, apesar da retirada por Israel dos polêmicos detectores de metais do local e até que sejam esclarecidos os controles que serão colocados em substituição.

Em comunicado, representantes do Waqf (organização que administra o lugar) e o mufti Mohamed Hussein, por exemplo, pediram a garantia de livre acesso para oração nesse espaço sagrado, que abriga a Mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha. Israel retirou nesta madrugada os arcos metálicos, mas anunciou que os aparelhos serão substituídos por "câmaras inteligentes" que controlariam o acesso e evitariam a entrada de pessoas armadas.

Os detectores foram instalados nas imediações da Esplanada das Mesquitas há 11 dias, depois de um ataque no qual dois polícias israelenses e três agressores árabes-israelenses morreram. Desde então, uma onda de protestos e ataques acontece na região, e na sexta-feira eles acabaram com a vida de quatro palestinos e três israelenses, estes últimos assassinados em um assentamento por um jovem palestino. Além disso, cerca de 500 palestinos ficaram feridos neste período em enfrentamentos com as forças de segurança.

Esta manhã, dezenas de fiéis se reuniram na porta da Esplanada para rezar, mas se negaram a entrar em protesto a qualquer tipo de medida de segurança imposta por Israel.

A Esplanada das Mesquitas é o terceiro lugar mais sagrado para o islã (depois das cidades de Meca e Medina) e o primeiro mais importante para o judaísmo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos