Senado dos EUA força ex-chefe de campanha de Trump a depor sobre caso Rússia

Washington, 25 jul (EFE).- O Comite de Justiça do Senado dos Estados Unidos convocou nesta terça-feira Paul Manafort, ex-chefe de campanha do presidente do país, Donald Trump, a depor amanhã sobre as tentativas da Rússia de influenciar nas eleições de 2016.

O presidente do Comitê de Justiça do Senado, o republicano Chuck Grassley, e a principal democrata do órgão, Dianne Feinstein, informaram em comunicado sobre a convocação, que foi enviada ontem a noite a Manafort para que ele testemunhe em uma audiência pública.

Na semana passada, o comitê pediu que Manafort e o filho mais velho do presidente, Donald Trump Jr., prestassem depoimento. No entanto, os advogados de ambos negaram a solicitação. Por isso, os senadores enviaram ao ex-chefe de campanha um requerimento que, de maneira legal, o obriga a falar sobre o escândalo russo.

O comitê quer ouvir Manafort e Trump Jr. porque os dois participaram de uma reunião com uma advogada russa em junho de 2016. Ela repassaria informações comprometedoras sobre a então candidata democrata à presidência, Hillary Clinton.

Essa reunião é a prova pública mais tangível sobre uma possível coordenação entre o Kremlin e a campanha de Trump para interferir nas eleições presidenciais.

Um porta-voz de Manafort disse à emissora "ABC" que seu cliente foi ouvido hoje, de forma privada, pelo Comitê de Inteligência do Senado, outro dos órgãos que investiga o escândalo russo.

Os líderes do Comitê de Inteligência se comprometeram a compartilhar as informações do depoimento com os companheiros do Comitê de Justiça.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos