Partido de Macron denuncia WikiLeaks por publicar documentos internos

Paris, 31 jul (EFE).- A República em Marcha (LRM), partido do presidente da França, Emmanuel Macron, denunciou nesta segunda-feira a publicação no site WikiLeaks de documentos internos, entre eles alguns falsos, e a considerou "uma operação de desestabilização".

A formação política destacou em um comunicado que se trata dos mesmos documentos que já foram divulgados no último dia 5 de maio, às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais que levaram Macron ao Palácio do Eliseu.

"Apresentando-o como novo, o WikiLeaks se limita a retomar como própria a operação de desestabilização organizada em maio", considerou o partido.

Na ocasião, a legenda apresentou uma denúncia perante o Ministério Público por "acesso fraudulento, extração fraudulenta de dados, falta de respeito ao segredo dos destinatários e usurpação de identidade", em um processo ao qual agora soma o WikiLeaks.

Ainda que, por enquanto, não tenha sido possível determinar a autoria da ação, a divulgação dos documentos aconteceu sobretudo em sites da extrema direita dos Estados Unidos.

Segundo a LRM, os documentos foram obtidos por meio do pirateio dos e-mails pessoais ou profissionais de vários de seus dirigentes.

O partido francês acrescentou que "a operação de pirateio se traduziu na difusão de numerosos documentos falsos junto a outros autênticos".

O WikiLeaks publicou hoje 71.848 e-mails de membros da campanha de Macron, dos quais assegura ter verificado 21.075.

Além disso, a organização fundada por Julian Assange põe a disposição dos internautas um motor de busca para manejar o restante dos e-mails.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos