Irã denúncia que EUA querem "destruir" acordo nuclear com suas sanções

Teerã, 3 ago (EFE).- As autoridades do Irã denunciaram que a assinatura por parte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, da lei de sanções é uma tentativa de destruir o acordo nuclear assinado entre o Irã e o G5+1 (EUA, Rússia, França, Reino Unido e China, mais Alemanha) em julho de 2015.

"O principal objetivo dos EUA para impor as sanções contra o Irã é destruir o acordo e nós reagiremos com inteligência a essas medidas", advertiu o vice-ministro de Relações Exteriores e negociador nuclear da república islâmica, Abbas Araghchi, em declarações à emissora de televisão estatal.

Trump promulgou ontem a lei que impõe novas sanções contra o Irã, devido a seu programa armamentista e por seu apoio a grupos xiitas como o Hezbollah, assim como as restrições contra Rússia e Coreia do Norte, que foram aprovadas por maioria no Congresso.

Para Araghchi, isto demonstra que os EUA temem que o acordo nuclear possa dar poderes ao Irã: "Com base nesta ideia, a crença geral em Washington é que esta situação deve ser revertida e que o Irã precisa ser pressionado", enfatizou.

O acordo nuclear entre o Irã e o G5+1 limita o programa atômico de Teerã em troca do levantamento das sanções internacionais.

As autoridades iranianas já apresentaram esta semana uma queixa sobre as novas sanções impostas por Washington à comissão conjunta que supervisiona o acordo, que sempre verificou o cumprimento por parte de Teerã de seus compromissos.

Além disso, o comitê iraniano encarregado de observar a implementação do acordo nuclear anunciou que dará "uma resposta contundente" às novas sanções dos EUA, que será anunciada em breve pelo presidente do país, Hassan Rohani.

O projeto de lei que o parlamento iraniano está preparando fortalecerá o programa de mísseis balísticos e o corpo dos Guardiões da Revolução, os alvos das sanções americanas, apontou Araghchi.

Os EUA impuseram nos últimos meses, desde a chegada de Trump à presidência, várias rodadas de sanções contra entidades e indivíduos iranianos relacionados com o programa de mísseis da república islâmica.

Teerã defende que seu programa de mísseis é legal e não contradiz a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, nem o acordo nuclear.

A tensão entre os dois países está aumentando e se traduziu em alguns incidentes envolvendo embarcações americanas e iranianas nas águas do Golfo Pérsico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos