Maduro diz que Assembleia Constituinte investigará violência da oposição

Caracas, 4 ago (EFE).- O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que a Assembleia Constituinte, instalada nesta sexta-feira, trabalhará amanhã "o dia todo" para implementar uma "comissão da verdade, da justiça, pela reparação das vítimas" da violência que acusa a oposição de provocar nos últimos dias.

O chefe de Estado revelou ter recebido a informação da presidente da recém-inaugurada assembleia, a ex-chanceler Delcy Rodríguez. Maduro garantiu que mais de 580 membros da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) foram vítimas de ataques com explosivos, fuzis e armas caseiras.

Em ato da GNB, o presidente responsabilizou pelas ações a "paramilitares colombianos da oposição venezuelana", a quem acusou de disparar contra guardas nacionais e matar um sargento de 28 anos, durante as eleições do últimos domingos, para eleger a Assembleia Nacional Constituinte.

A Guarda Nacional Bolivariana é a linha de frente das forças de segurança do governo na dispersão dos protestos contra o governo, que se intensificaram em 1º de abril deste ano, deixando, pelo menos 121 mortos, de acordo com a Promotoria do país.

"Com a Constituinte, chegará a verdade de tudo o que aconteceu. Chegará a justiça justa, a reparação moral, física, institucional e humana das vítimas", disse Maduro, que lamentou que, diversos membros da Guarda estejam com problemas graves de saúde, devido os ataques que credita a oposição.

No evento de hoje, o presidente ainda realizou uma "exposição", com objetos que teriam sido utilizados por manifestantes de oposição, durante protestos no país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos