Justiça eleitoral aprova impugnação da candidatura de Carlos Menem

Buenos Aires, 7 ago (EFE).- A Justiça Eleitoral da Argentina aprovou nesta segunda-feira a impugnação da candidatura do ex-presidente Carlos Menem (1989-1999) como aspirante a uma cadeira no Senado nas eleições primárias do próximo domingo, confirmaram à Agência Efe fontes judiciais.

A decisão foi adotada pela Câmara Nacional Eleitoral e determina que Menem, com mandato na câmara alta até o próximo mês de dezembro, não poderá tentar estender sua permanência no cargo nas eleições legislativas deste ano.

Menem, de 87 anos, era candidato a senador pelo partido peronista Frente Justicialista na província de La Rioja, sua terra natal.

O ex-presidente foi condenado a sete anos de prisão por contrabando de armas ao Equador e à Croácia, mas os privilégios parlamentares impedem que ele vá para a prisão.

O pedido de impugnação da candidatura de Menem tinha sido apresentado pelo advogado Leonel Ignacio Acosta, membro da aliança Esquerda à Frente pelo Socialismo, de La Rioja.

Um tribunal de primeira instância tinha aprovado a candidatura do ex-presidente, mas Acosta recorreu da decisão na Câmara Nacional Eleitoral.

Na sentença de hoje, a Câmara Nacional Eleitoral aplicou como precedente uma decisão de 2003 que impugnou a candidatura ao Senado de Raúl Romero Ferris. Ele tinha sido condenado por crimes de corrupção na época, apesar de as acusações não serem firmes.

O órgão, no entanto, lembrou que há "requisitos de idoneidade" para exercer cargos públicos e citou a necessidade de o candidato não ter antecedentes penais.

"Quanto maior seja a hierarquia do cargo ou da função, maior deve ser o grau de moralidade exigido", afirmaram os juízes na decisão.

Sobre a hipótese de a condenação de Menem não ser considerada como "firme" pelos recursos apresentados pela defesa do ex-presidente, a Câmara Nacional Eleitoral afirmou a sentença que decretou sua prisão foi feita por um tribunal competente, com todas as garantias do devido processo legal.

Na sentença pelo contrabando de armas, a Câmara Federal de Cassação Penal também proibiu Menem de exercer qualquer cargo público por 14 anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos