China pede que EUA e Coreia do Norte parem de se provocar

Pequim, 11 ago (EFE).- O governo da China pediu nesta sexta-feira aos Estados Unidos e à Coreia do Norte que "abandonem o velho método de alardear seu poder", uma tática que, segundo Pequim, está aumentando as tensões na região.

"A China espera que todas as partes controlem suas palavras e ações, contribuam mais com o rebaixamento das tensões para construir confiança mútua e abandonem o velho método de alardear seu poder", declarou em um comunicado o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang.

O comentário acontece em meio à escalada de ameaças mútuas entre Pyongyang e Washington, com o regime norte-coreano advertindo sobre um possível ataque à ilha americana de Guam, no oceano Pacífico, e o presidente dos EUA, Donald Trump, prometendo "fogo e fúria" caso a Coreia do Norte tente dar tal passo.

O porta-voz chinês reiterou que a situação na península da Coreia é "complexa e muito sensível".

O jornal "Global Times", ligado ao Partido Comunista, analisou nesta sexta-feira a situação da China perante um hipotético conflito armado entre EUA e Coreia do Norte e ressaltou que Pequim não deve apoiar Washington sob hipótese alguma.

Segundo o editorial da publicação, a China deve ter postura neutra caso a Coreia do Norte - tradicional aliado ideológico de Pequim - seja a primeira a atacar. Por outro lado, se o primeiro passo for dado pelos EUA, o governo chinês deve fazer todo o esforço possível para impedi-lo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos