Filho de Maduro diz que Venezuela tomaria a Casa Branca se fosse atacada

Caracas, 12 ago (EFE).- Nicolás Maduro Guerra, filho do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou neste sábado que seu país tomaria a Casa Branca e responderia com "fuzis em Nova York" uma invasão militar dos Estados Unidos.

"Se maculassem o solo pátrio, os fuzis chegariam em Nova York, senhor (Donald) Trump, tomaríamos a Casa Branca. O Vietnã ficaria pequeno", disse Maduro Guerra em uma sessão ordinária da Assembleia Constituinte, para a qual foi eleito no último dia 30 de julho.

"Mas não é o que queremos. Nunca fomos nem seremos pessoas de guerra. Foque nos seus assuntos, solucione os seus problemas, senhor Trump", completou o filho do presidente venezuelano.

Trump disse ontem que não descarta uma "opção militar" para resolver a crise enfrentada pela Venezuela.

Dois dias antes dessas declarações, Maduro tinha dado instruções a seu recém-nomeado chanceler, Jorge Arreaza, para que agendasse uma reunião ou uma conversa por telefone com o presidente americano. A Casa Branca já negou o convite.

O filho de Maduro pediu unidade aos venezuelanos, aos jovens do mundo, incluindo os americanos. E os convocou para se unir à luta da Venezuela. Além disso, criticou o "silêncio estrondoso" da oposição sobre as declarações de Trump em relação à "opção militar".

"Esse silêncio fala por si só", indicou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos