PUBLICIDADE
Topo

Ministros franceses viajam a Bagdá para apoiar reconstrução do Iraque

26/08/2017 14h19

Bagdá, 26 ago (EFE).- Os ministros de Relações Exteriores e de Defesa da França, Jean-Yves Le Drian e Florence Parly - respectivamente -, viajaram neste sábado a Bagdá e à região autônoma do Curdistão iraquiano para mostrar apoio à reconstrução do Iraque após a luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

Le Drian confirmou durante a visita um empréstimo ao Iraque de 430 milhões de euros destinado a programas financeiros internacionais "essenciais para a fase de reconstrução", segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

"A França acompanhará a estabilização e reconstrução do Iraque para conseguir uma paz duradoura, que reconcilie todos os componentes da sociedade iraquiana", acrescentou a nota.

Na manhã deste sábado, Le Drian e Florence se reuniram em Bagdá com o presidente do Iraque, Fuad Masum, e com o chanceler do país, Ibrahim Al-Jaafari.

Os políticos franceses também foram recebidos pelo premiê e comandante em chefe das Forças Armadas, Haider al-Abadi, a quem transmitiram o apoio de Paris ao governo iraquiano em sua luta contra o EI.

O escritório de Abadi informou em um comunicado que os ministros abordaram as formas de "fortalecer a cooperação bilateral, tanto na guerra (contra o terrorismo) como em outros campos".

Le Drian declarou que "a França deseja desenvolver seus laços com o Iraque em todos os aspectos, seja no diálogo político, nas relações econômicas e na cooperação".

Além disso, ambos transmitiram as felicitações pelas vitórias do exército iraquiano sobre o EI, especificamente na cidade de Mossul, e entregaram um convite formal do presidente francês, Emmanuel Macron, para que Abadi visite a França.

Os políticos franceses se dirigiram posteriormente a Erbil, a capital do Curdistão iraquiano, que tem programado para o próximo dia 25 de setembro um referendo de independência.

Hemin Hawrami, um conselheiro do presidente curdo, Masud Barzani, informou no Twitter que Le Drian e Florence mostraram apoio ao Curdistão e às tropas autonômicas "peshmergas", que tiveram um papel fundamental na luta contra o EI no norte do Iraque.