Ataque suicida contra maior base dos EUA no Afeganistão deixa 3 feridos

Cabul, 6 set (EFE).- Um ataque suicida realizado nesta quarta-feira por um talibã na entrada da base aérea de Bagram, a maior dos Estados Unidos no Afeganistão, deixou três feridos.

"O suicida, que estava em uma moto, fez o ataque contra um veículo das forças estrangeiras no terceiro portão da base aérea de Bagram. O atacante morreu e o veículo está parcialmente destruído", disse à Agência Efe a porta-voz do governo da província de Parwan, Wahida Shahkar, que não deu detalhes sobre a identidade das vítimas.

O incidente ocorreu às 6h10 locais (10h40 em Brasília), quando o terrorista detonou os explosivos que carregava na moto contra um veículo das forças estrangeiras no Afeganistão.

O porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão, Najib Danish, confirmou o ataque no Facebook e indicou que três pessoas ficaram feridas, sem dar mais detalhes sobre as vítimas.

As assessorias de comunicação das tropas dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no país ainda não divulgaram informações sobre o atentado.

Os talibãs reinvidicaram o ataque em um comunicado publicado por um dos porta-vozes do grupo, Zabihullah Mujahid, que afirmou que mais de 20 soldados americanos morreram ou ficaram feridos.

"O objetivo do ataque foi vingança após o insulto ao Kalimat Tayyibah feito pelos soldados americanos", disse o porta-voz.

Mujahid fazia referência ao panfleto distribuído pelas tropas dos EUA em uma província do norte do Afeganistão, na qual a expressão citada no comunicado, utilizada pelos talibãs e sagrada para o Islã, teria sido ridicularizada pelos americanos.

As tropas do EUA no Afeganistão pediram desculpas hoje pela distribuição do panfleto, que indignou o país.

A base de Bagram já foi alvo dos talibãs. Em agosto, um ataque do grupo matou dois funcionários afegãos que trabalhavam no local. Antes, em junho, oito seguranças da instalação militar perderam a vida em uma emboscada quando iam para seus postos de trabalho.

A violência no Afeganistão se intensificou após o fim da missão de combate da Otan em 2015. A aliança mantém cerca de 13 mil homens no país em tarefas de assessoria e capacitação do Exército local.

Já os EUA têm cerca de 8,4 mil soldados no Afeganistão como parte da operação da Otan e em missões antiterrorismo. O contingente deve ser ampliado nos próximos meses, seguindo uma ordem já anunciada pelo presidente do país, Donald Trump.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos