Kaspersky lamenta decisão dos EUA e nega conexões com governo russo

Moscou, 13 set (EFE).- A empresa russa de segurança cibernética Kaspersky se manifestou nesta quarta-feira profundamente decepcionada com a decisão dos Estados Unidos de proibir as agências governamentais de usar seu software, ao mesmo tempo em que negou conexões políticas com o governo da Rússia.

"Levando em conta que o Kaspersky Lab não tem conexões políticas com nenhum governo do mundo, estamos profundamente decepcionados com a decisão do Departamento de Segurança Nacional dos EUA", disse a Kaspersky em um comunicado.

Além disso, a Kaspersky se propõe a fornecer aos EUA "toda a informação para demonstrar que tal decisão não tem fundamento".

Segundo a empresa russa, as acusações feitas pelas autoridades americanas se baseiam em "afirmações falsas e conclusões incorretas" sobre a influência da legislação russa no funcionamento da Kaspersky.

"A empresa não tem contatos nem afiliação política com nenhum governo, incluindo o russo", reforçou a Kapersky, destacando que manteve altos padrões durante 20 anos de trabalho na indústria da segurança informática.

O Departamento de Segurança Nacional americano (DHS) proibiu hoje que as agências governamentais usem o software da multinacional russa de segurança cibernética Kaspersky Lab devido à possibilidade que o Kremlin utilize essa empresa para espionar os Estados Unidos.

"O risco de que o governo russo, seja por si só ou em colaboração com a Kaspersky, possa capitalizar o acesso que lhe outorgam os produtos Kaspersky para pôr em perigo os sistemas federais de informação afeta diretamente à segurança nacional dos EUA", afirmou o DHS.

Os departamentos e agências do governo americano devem identificar o uso ou a presença dos produtos da Kaspersky em um prazo de 30 dias para depois, em 60 dias, desenvolver planos que permitam a eliminação desses produtos.

Dessa forma, em 90 dias, o software da Kaspersky começará a ser eliminado de todos os computadores, tablets, telefones celulares e outros aparelhos eletrônicos do governo dos EUA.

A decisão é anunciada meses depois que a agência encarregada das compras do governo americano, a Administração de Serviços Gerais (GSA, na sigla em inglês), retirou a Kaspersky da lista de empresas de que se pode comprar diferentes tipos de software, como programas antivírus.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos