Macron fala em limpeza étnica em Mianmar e anuncia iniciativa na ONU

Nações Unidas, 19 set (EFE).- O presidente da França, Emmanuel Macron, denunciou nesta terça-feira que está acontecendo uma "limpeza étnica" contra a minoria muçulmana rohingya em Mianmar e que seu país levará uma iniciativa de resposta ao Conselho de Segurança da ONU.

Em seu primeiro discurso como chefe de Estado francês na Assembleia Geral das Nações Unidas, Macron enfatizou que as autoridades birmanesas devem interromper as operações militares e facilitar o fornecimento de ajuda humanitária às pessoas afetadas pela perseguição à minoria.

O Conselho de Segurança debateu a questão pela primeira vez na semana passada, mas por enquanto não tomou nenhuma decisão oficial a respeito.

A crise dos rohingyas também foi destacada hoje na ONU pelo secretário-geral da organização, António Guterres, que lamentou o drama vivido por esta minoria e denunciou um "círculo vicioso de perseguição, discriminação, radicalização e repressão violenta".

Guterres disse que "tomou nota" do discurso feito hoje pela líder birmanesa de fato, Aung Sann Suu Kyi, e da sua intenção de implementar "o mais rápido possível" as recomendações da comissão liderada pelo ex-secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan.

Um dia antes que explodisse a violência, esse grupo apresentou 88 pontos com o objetivo de solucionar os problemas sectários no estado de Rakhine, entre os rohingyas e a maioria budista.

Hoje, Suu Kyi condenou todas as violações dos direitos humanos e se comprometeu a levá-las aos tribunais e a fornecer ajuda à população afetada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos