Puigdemont mantém referendo e denuncia estado de exceção

Barcelona, 20 set (EFE).- O presidente do Governo regional da Catalunha, Cales Puigdemont, chamou nesta quarta-feira os cidadãos a votarem no referendo separatista de 1 de outubro, suspendo pelo Tribunal Constitucional, para responder ao Executivo espanhol, que foi acusado de "aplicar de fato um estado exceção".

Puigdemont convocou de forma urgente seu Gabinete pouco depois que a Guarda Civil deteve, por ordem judicial, 14 pessoas pelo suposto vínculo com a consulta independentista, entre elas vários altos cargos do governo regional, e revistou vários departamentos da administração catalã.

Em um comparecimento institucional perante a imprensa, Puigdemont acusou o Governo espanhol de "suspender de fato" a autonomia da Catalunha e convidou os catalães a responderem com "firmeza e serenidade" votando em 1 de outubro.

Acompanhado dos membros de seu Gabinete, o líder catalão centrou suas críticas no Governo espanhol de Mariano Rajoy pela sua atitude contrária à consulta, que foi suspensa cautelarmente pelo Constitucional pela falta de aprofundamento em sua adequação ou não ao marco jurídico espanhol.

Além das revistas e detenções de hoje, as forças de segurança se expropriaram nos últimos dias de numeroso material destinado à realização da consulta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos