PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump não quer "guerra nuclear" com Coreia do Norte, diz chefe do Tesouro

Líder norte-coreano Kim Jong Un, ao lado esquerdo, e o presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado direito - Wong Maye-E/AP Photo
Líder norte-coreano Kim Jong Un, ao lado esquerdo, e o presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado direito Imagem: Wong Maye-E/AP Photo

24/09/2017 17h27

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não tem interesse em uma "guerra nuclear" com a Coreia do Norte, apesar da escalada de tensão entre o governante e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, afirmou o seu secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, neste domingo (24).

"O presidente não quer estar em uma guerra nuclear e faremos tudo o que for possível para garantir que isso não ocorra", disse Mnuchin no programa "This Week", da rede de TV "ABC".

Na última terça-feira (19), Trump discursou na Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) e advertiu que, se seu país for forçado a se defender ou a defender um de seus aliados, não restará "mais remédio do que destruir totalmente a Coreia do Norte".

Depois de trocas de acusações entre Trump e Kim Jong-un, Mnuchin disse neste domingo que o presidente americano está preparado para responder a uma piora das relações.

"O presidente disse que todas as opções estão na mesa. O presidente têm muitas alternativas e tomará as decisões no momento certo", informou o chefe do Tesouro.

Durante a última semana, Trump assinou uma ordem executiva para impor novas sanções econômicas ao regime de Pyongyang. De acordo com Mnuchin, essa punição constitui "as sanções mais duras que jamais foram impostas" ao regime norte-coreano.

Os contínuos testes de armas de Pyongyang, que já renderam dois pacotes de sanções da ONU só em 2017, e o tom beligerante de Trump elevaram enormemente a tensão na península coreana no último ano.

Ontem, bombardeiros e caças dos Estados Unidos voaram perto do litoral norte-coreano para demonstrar que os Estados Unidos possuem "opções militares" para qualquer ameaça, informou o Pentágono.
 

Internacional