Parlamento do Curdistão rejeita represálias de Bagdá

Erbil (Iraque), 30 set (EFE).- O Parlamento regional do Curdistão iraquiano rejeitou neste sábado por unanimidade as medidas tomadas pelas autoridades de Bagdá em represália pelo referendo de independência realizado na última segunda-feira.

O organismo rejeitou em um comunicado qualquer possível solução militar que parte de Bagdá, e ressaltou que o exército curdo, conhecido como "peshmerga", tem total autoridade para proteger de ameaças as áreas que controlam, incluindo zonas disputadas com o governo do Iraque.

As represálias iraquianas carecem de base legal e são de caráter político, segundo o Parlamento curdo, que pediu à comunidade internacional o reconhecimento dos resultados do referendo, no qual 92% dos votantes apoiou a independência desta região do norte do Iraque.

Entre outras medidas, o governo iraquiano ordenou ao Curdistão que entregue o controle dos aeroportos internacionais e dos postos fronteiriços administrados pelos "peshmergas".

Diante da negativa das autoridades curdas, Bagdá ordenou nesta sexta-feira a suspensão dos voos internacionais com origem ou destino nos aeroportos curdos de Erbil e Suleimaniya.

Ontem, o Ministério de Defesa do Iraque afirmou que ainda não tomou o controle das passagens fronteiriças e anunciou que chegou a um acordo com os países vizinhos.

O primeiro-ministro iraquiano, Haidar al-Abadi, também anunciou que Bagdá pretende assumir o trabalho de arrecadação dos lucros pela venda de petróleo dos campos de Kirkuk, região disputada por ambas as partes, para pagar os funcionários curdos.

O Irã, país que também conta com uma minoria curda, anunciou neste sábado a proibição da importação e exportação de derivados do petróleo da região do Curdistão.

Além disso, Teerã anunciou que unidades das Forças Armadas do Irã e do Iraque efetuarão nos próximos dias uma série de manobras conjuntas na fronteira iraniana com o Curdistão iraquiano, onde serão reforçadas as medidas de segurança.

O Governo da Turquia foi até agora o mais veemente e seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, insistiu que nunca permitirá a criação de um estado curdo.

Ontem, o governo dos Estados Unidos anunciou que não reconhece o resultado do referendo de independência, que teve 72% de participação e 92% de votos favoráveis à separação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos