Polícia russa detém dezenas de opositores em jornada nacional de protestos

Moscou, 7 out (EFE).- A polícia russa deteve dezenas de ativistas opositores durante a jornada nacional de protestos convocada pelo líder da oposição, Alexei Navalni, atualmente preso.

Segundo fontes independentes, as detenções ocorreram durante ações não autorizadas em cidades como São Petersburgo, Yekaterimburgo, Samara, Pskov, Perm e Saratov.

As fontes também apontaram que alguns representantes e partidários de Navalni foram detidos antes do início desses atos de protesto como medida preventiva.

Contudo, isso não impediu que na Sibéria tenha ocorrido várias concentrações - Vladivostok, Krasnoyarsk, Tomsk e Javarobsk -, ainda que a imprensa informe que, na maioria dos casos, o número de participantes não passava de cem.

Apesar não ter recebido autorização oficial, centenas de opositores se concentraram também hoje na histórica praça Pushkin de Moscou, onde a polícia os ameaçou.

Vários caminhões fecharam o acesso à rua Tverskaya, onde Navalni chamou seus seguidores a comparecerem, enquanto nas imediações estavam estacionados vários carros policiais.

Em São Petersburgo, epicentro dos protestos que coincidem com o 65° aniversário do presidente russo, Vladimir Putin, as autoridades fecharam os acessos ao local do protesto, o Campo de Marte.

As forças de segurança revistaram na sexta-feira vários colégios eleitorais de Navalni em Moscou e São Petersburgo, e requisitaram propaganda eleitoral, entre outras coisas.

Por ocasião do aniversário do chefe do Kremlin, vários ativistas se aproximaram de uma das sedes da Presidência para colocar caixas embaladas com papel de presente com frases como "Impugnação", "Alternância política" e "Renovação".

Navalni, que está preso após ser condenado a 20 dias de detenção, expôs em seu blog sua principal reivindicação: sua participação e a de outros candidatos nas eleições presidenciais de março de 2018.

O politico opositor, que já foi condenado em três ocasiões neste ano, chamou seus seguidores a comparecerem aos protestos com bandeiras russas.

Navalni, considerado o único politico que pode fazer sombra ao chefe do Kremlin, foi condenado em dezembro por fraude, sentença que o desabilita como candidato, mas ele antecipou que recorreria da decisão perante os tribunais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos