Partido da governadora de Tóquio altera previsível política japonesa

Ramón Abarca.

Tóquio, 20 out (EFE).- Tudo indica que o partido do primeiro-ministro Shinzo Abe voltará a ganhar as eleições gerais no Japão, mas o crescimento da carismática governadora de Tóquio, Yuriko Koike e de sua nova legenda nas pesquisas alterou o previsível panorama político do país.

O conservador Partido Liberal Democrata (PLD), que governa o Japão de maneira quase ininterrupta desde 1955, é o claro favorito, segundo as pesquisas sobre as eleições antecipadas que Abe convocou para o próximo domingo, um ano antes do que o previsto, para fortalecer a sua maioria em um momento de enfraquecimento da oposição.

A repentina aparição do Partido da Esperança, da governadora de Tóquio, criado poucas horas após Abe anunciar a convocação das eleições, desencadeou uma inesperada alteração na política japonesa e um maior interesse dos japoneses pelo pleito.

Koike, de 65 anos, e a sua mensagem de "reiniciar o Japão", conseguiram aumentar os minutos dedicados à campanha eleitoral na televisão e as pesquisas mostram que a participação dos eleitores pode aumentar consideravelmente no próximo domingo após várias eleições com os números de votos em queda livre.

O paradigma é que este entusiasmo não significa que o partido de Koike tenha chances de vencer o imbatível PLD, apontado como o claro favorito e que pode conseguir 300 das 465 cadeiras da câmara baixa do Parlamento.

"O PLD se beneficia de ter mantido o poder durante décadas. Desenvolveu poderosas máquinas eleitorais com grande capacidade de mobilização. Além disso, conta com muito apoio nas zonas rurais que estão representadas no Parlamento", explicou Jeff Kingston, diretor de Estudos Asiáticos da Universidade Temple do Japão.

Fundado em 1955, após a fusão de vários partidos políticos de direita, a legenda governou o país desde então com a exceção de um breve período entre 1993 e 1994 e de 2009 a 2012.

O PLD, que conta com várias correntes internas, também conseguiu manter o poder por ser mais pragmático que ideológico e ser visto como sinônimo de estabilidade.

A atual governadora de Tóquio, que até pouco tempo pertencia ao PLD e inclusive foi ministra de Abe, defendeu a superação dos velhos partidos e definiu a sua formação como "conservadora, reformista e tolerante".

Embora o Partido da Esperança tenha vencido o PLD nas eleições municipais de junho, as pesquisas mostram que o feito não se repetirá no próximo domingo com um programa acusado de ser vago no qual se destaca a sua oposição à energia nuclear como principal contraponto ao governo de Abe.

"O seu novo partido parece mais uma plataforma complacente que um grupo populista dissidente. Ela é tão de direita como o PLD, que conta com uma base fiel de eleitores, e os liberais não a veem como uma alternativa", disse Kingston.

Os analistas consideram também não ajudou o fato de Koike ter anunciado, sem dar muitas explicações, que não concorreria como candidata de seu próprio partido nestas eleições, de modo a continuar como governadora de Tóquio.

O anúncio destas eleições antecipadas foi um golpe duro contra a principal força da oposição, o Partido Democrático (PD), muito desacreditado pelo período que passou no poder, de 2009 a 2012, no qual teve de lidar com a complicada crise nuclear de Fukushima.

Após péssimos resultados em eleições anteriores e afundado em uma luta interna, o partido de centro ficou separado em uma ala favorável a se integrar ao partido de Koike e em outra mais progressista e reticente a se aliar à política conservadora.

Essa última corrente, impulsora do também recém-criado Partido Constitucional Democrático do Japão (PCDJ), liderado por Yukio Edano, disputará com Koike para ser a segunda força do país com um programa baseado principalmente na oposição à reforma da pacifista Constituição do país que Abe pretende fazer desde que chegou ao poder em dezembro de 2012.

O PLD mantém desde então uma coalizão de governo com o budista Komeito, liderado por Yoshihisa Inoue, e que conta atualmente com 35 representantes na Câmara Baixa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos