Trump agradece a Jimmy Carter por seus comentários "amáveis" sobre ele

Washington, 28 out (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, agradeceu neste sábado ao ex-mandatário democrata Jimmy Carter pelos comentários "amáveis" sobre ele feitos durante uma entrevista na semana passada, na qual o ex-presidente opinou que os veículos de comunicação estão sendo bastante "duros" com o atual chefe de Estado americano.

"Acabo de ler os amáveis comentários do presidente Jimmy Carter sobre mim e sobre o com sou maltratado pela imprensa (notícias falsas). Obrigado senhor presidente!", escreveu Trump no Twitter.

Carter, de 93 anos, fez esses comentários em uma entrevista publicada há uma semana pelo jornal "The New York Times", na qual o ex-presidente demonstrou seu interesse de ajudar Trump a reduzir as tensões com a Coreia do Norte e o defendeu de algumas críticas.

"Acredito que os veículos de comunicação foram mais duros com Trump do que com qualquer outro presidente, pelo menos até onde eu sei. Acho que se sentem livres para afirmar que Trump está mentalmente perturbado e tudo isso, sem hesitar", disse Carter.

Esse comentário do ex-presidente democrata contrasta com os discursos feitos este mês por outros dois ex-chefes de Estado, Barack Obama e George W. Bush, que atacaram Trump de forma velada - sem citá-lo pelo nome - e denunciaram a polarização do país que, na opinião deles, vem sendo fomentada pelo atual presidente.

Carter, por sua vez, opinou na entrevista que Trump está "exacerbando" as tensões raciais no país, mas "não deliberadamente".

Em seus tweets matutinos de hoje, Trump não mencionou a notícia que um grande júri num tribunal federal de Washington aprovou nesta sexta-feira as primeiras acusações dentro das investigações sobre a suposta interferência russa nas eleições de 2016 nos Estados Unidos.

A emissora "CNN" e o jornal "The Wall Street Journal" informaram que pelo menos uma pessoa enfrenta acusações, que ainda não vieram à tona por ordem de um juiz federal, e há planos para que qualquer acusado possa ser detido a partir da próxima segunda-feira.

Trump denunciou várias vezes que essa investigação, liderada pelo procurador especial Robert Mueller, não passa de uma "caça às bruxas" contra ele, e está incomodado porque as investigações se estenderam há algum tempo sobre suas finanças e negócios familiares.

Trump também criticou hoje os veículos de imprensa no Twitter por considerar que os mesmos deram "muito pouca informação" sobre o "grande" índice de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), de 3%, registrado no terceiro trimestre, "apesar dos grandes furacões" que atingiram o país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos