Líderes da UE se preparam perante possível queda de May, aponta jornal

Londres, 9 nov (EFE).- Os líderes da União Europeia (UE) se preparam para uma possível queda de Theresa May antes do final do ano, depois da saída de Piti Pateal como ministra britânica de Cooperação Internacional, revela nesta quinta-feira o jornal "The Times".

A renúncia de Patel, por causa de um escândalo sobre reuniões não autorizadas com altos cargos do Governo de Israel, foi a segunda em apenas sete dias, depois da saída, na semana passada, de Michael Fallon à frente da pasta de Defesa.

Há inquietação em Bruxelas pela possibilidade de haver uma mudança na liderança do Partido Conservador de May ou novas eleições, o que levariam a uma vitória trabalhista pela instabilidade do Governo de May, indica o "The Times".

Um líder europeu, cuja identidade o jornal não revela, informou que os funcionários da UE trabalham com essas duas possibilidades, enquanto continuam as negociações em Bruxelas sobre a saída do Reino Unido do bloco europeu, prevista para março de 2019.

"Há uma grande dificuldade da liderança no Reino Unido, que é mais e mais frágil", afirmou esse líder europeu.

"O Reino Unido é muito frágil e essa fraqueza de Theresa May faz com que as negociações (sobre o Brexit) sejam muito difíceis", acrescentou.

De acordo com a informação do jornal, todas as opções são avaliadas em Bruxelas, incluída uma saída britânica da UE sem acordo e desordenada ou reverter a decisão do "Brexit" com a convocação de novas eleições gerais.

A fonte, acrescenta o "The Times", especificou que o resultado do referendo europeu, realizado em junho de 2016, foi muito ajustado.

Esta informação foi revelada depois que Patel apresentou ontem à noite sua demissão pelo escândalo sobre as reuniões não oficiais e nem autorizadas com altos cargos do Governo israelense, incluída uma com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

A ministra tinha pedido desculpas públicas por essas reuniões, que foram realizadas enquanto estava de férias com sua família em Israel em agosto, mas novas revelações de que não tinha admitido outros dois encontros forçaram sua saída.

May ordenou ontem que Patel cancelasse sua viagem pela África para retornar imediatamente a Londres para se reunir com ela, fato após o qual foi anunciada a demissão.

Patel, de 45 anos e deputada conservadora pela circunscrição de Witham (no sul da Inglaterra) desde 2010, foi copresidente da associação Amigos Conservadores de Israel.

Esta ministra apoiou o "Brexit" - a retirada britânica da União Europeia (UE) no referendo de junho de 2016 - e foi vice-ministra de Trabalho antes de assumir a pasta de Cooperação Internacional em julho de 2016, quando Theresa May substituiu David Cameron à frente do Governo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos