Polícia identifica 9 corpos esquartejados achados em apartamento de jovem japonês

Em Tóquio

  • Jiji Press/AFP Photo

    Shiraishi esconde o rosto ao ser transportado pela polícia em 1º de novembro, em Tóquio

    Shiraishi esconde o rosto ao ser transportado pela polícia em 1º de novembro, em Tóquio

A polícia identificou os nove corpos esquartejados achados no dia 30 de outubro no apartamento do sul de Tóquio de um jovem japonês, que se declarou culpado dos assassinatos. Entre as vítimas estão três garotas de 15 e 17 anos, informaram nesta sexta-feira (10) os responsáveis pela investigação.

Os corpos, cortados em pedaços, são de oito mulheres e de um homem foram. Estavam na residência de Takahiro Shiraishi, 27. A polícia concluiu hoje a identificação das vítimas através de mostras de DNA.

Entre elas estão Kureha Ishihara, uma estudante de 15 anos, e outras duas jovens de 17 anos, Natsumi Kubo e Akari Suda, informou a agência de notícias "Kyodo".

A polícia encontrou os restos humanos dentro de caixas e geladeiras portáteis na casa de Shiraishi, enquanto investigava o desaparecimento de uma mulher de 23 anos, em Tóquio, cujo corpo estava entre os nove.

A jovem Aiko Tamura publicou no final de setembro uma mensagem no Twitter na qual buscava alguém com quem se suicidar, e o suspeito respondeu com um "morramos juntos", segundo dados da investigação citados pela imprensa local.

O roubo de dinheiro foi uma das razões que motivaram os assassinatos e também para enganar algumas das mulheres com o propósito de abusar sexualmente delas.

O suposto assassino, que está preso, já tinha admitido que entre suas vítimas estavam várias adolescentes e o companheiro de uma das mulheres, que ele já tinha matado anteriormente. O único homem morto foi Shogo Nishinaka, que entrou em contato com Shiraishi após o desaparecimento da sua namorada.

Além disso a polícia identificou também Hinako Sarashima, uma estudante universitária de 19 anos e outras três mulheres de 26, 21 e 25 anos: Hitomi Fujima, Mizuki Miura e Kazumi Maruyama.

O suspeito declarou que tinha matado todas as suas vítimas em seu apartamento em Zama, na província de Kanagawa, de agosto - quando se mudou - até outubro.

Lá, a polícia encontrou as cabeças, membros e outros restos humanos desmembrados, além de 240 ossos, dentro de caixas e geladeiras portáteis.

"Não podia retirar (os corpos) com medo de ser pego", disse o homem à polícia em declarações recolhidas pela imprensa local.

Segundo explicou aos policiais, no início, ele demorou três dias para esquartejar um corpo, mas a partir da segunda pessoa "não demorava mais de um dia".

O japonês desmembrou os corpos na banheira e jogou no lixo algumas partes, e as autoridades acreditam que ele tenha usado uma serra para realizar as mutilações.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos