Dilma diz que sanções da UE contra Venezuela não solucionam crise do país

Estrasburgo (França), 15 nov (EFE).- A ex-presidente Dilma Rousseff fez críticas nesta quarta-feira às sanções que a União Europeia (UE) impôs contra a Venezuela, medidas que, na avaliação dela, não beneficiarão ninguém e não solucionarão a crise do país.

Em entrevista coletiva, Dilma disse não ver a lógica político-econômica das sanções e afirmou que ela própria foi contra a aplicação de medidas similares pelo Mercosul contra a Venezuela. Para a ex-presidente, isso acaba afetando apenas os cidadãos.

"É como em Cuba. A política de Havana mudou com as sanções dos Estados Unidos?", questionou a ex-presidente.

"Quando há sanções, quem paga é o povo", completou.

Convidada pela Esquerda Unitária Europeia a participar de uma reunião do Eurolat no parlamento europeu, em Estrasburgo, na França, Dilma disse que seu governo é o único legítimo do Brasil. Ela ainda expressou aos eurodeputados esperança de que o também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vença as próximas eleições no país.

"Lula é a esperança para retomar a redução das desigualdades", afirmou Dilma.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos