Número de mortes por terrorismo cai no mundo pelo segundo ano consecutivo

Guillermo Ximenis.

Londres, 15 nov (EFE).- O número de mortes por terrorismo no mundo caiu no ano passado pelo segundo ano consecutivo, em parte graças a uma redução de 33% das vítimas mortais na Síria, no Paquistão, no Afeganistão e na Nigéria, segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira pelo Instituto para Economia e Paz (IEP).

Em 2016 se registraram 25.673 mortes por atentados terroristas no mundo, 21% a menos que as 32.685 de 2014 - quando se alcançou o nível máximo nos números após quatro anos de aumentos - e 13% a menos em relação a 2015.

"Estamos vendo uma tendência enormemente positiva em nível global. Acreditamos que é um potencial ponto de inflexão na luta contra o terrorismo", afirmou à Agência Efe o diretor de Investigação do IEP, Daniel Hyslop, que ressaltou o retrocesso do extremismo radical islamita.

A maior diminuição do impacto do terrorismo se registrou na Nigéria, onde as mortes atribuídas ao grupo Boko Haram caíram 80% em 2016 em relação ao ano anterior, enquanto o Iraque é o único dos cinco países mais afetados onde piorou a situação, devido ao impacto do Estado Islâmico (EI).

O grupo jihadista aumentou no ano passado seus ataques suicidas e os atentados contra civis em uma tentativa "desesperada" de compensar as perdas territoriais que estava sofrendo no Iraque, segundo Hyslop.

Apesar de o Estado Islâmico "estar perto da sua derrota militar completa", o investigador ressaltou que a situação no Iraque "continua sendo muito fluente", razão pelo qual é difícil prever se os números do próximo ano refletirão uma queda no número de vítimas por ataques terroristas no país.

No Afeganistão ocorreram menos ataques terroristas, embora Hyslop tenha advertido que essa mudança pode dever-se ao fato de que os talibãs alcançaram um maior controle militar no campo de batalha convencional.

O Paquistão também viu cair o número de ataques dos talibãs, em parte graças ao fato de que os serviços de segurança do país conseguiram ser "mais efetivos" ao interceptar planos terroristas.

O relatório do Instituto para a Economia e a Paz constata que o aumento da capacidade das forças de segurança para prevenir ataques é uma tendência em nível mundial, especialmente nos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo os números do relatório, nesses países se conseguiu frustrar 19% dos ataques em 2015, enquanto que em 2016 foram desarticulados 35% dos planos de atentados terroristas.

Essa tendência levou os grupos terroristas a executar ações menos complexas e a um aumento das atuações dos chamados "lobos solitários".

"Na Europa e nos Estados Unidos existe a tendência de alta de ataques que envolvem carros, caminhões e facas. É algo preocupante, dado que esses tipos de ataques estão geralmente orientados contra os civis", salientou Hyslop.

Os atentados contra civis aumentaram 17% em nível global em 2016, enquanto na região da OCDE os atentados cometidos por um único indivíduo passaram de apenas um em 2008 para 56 em 2016.

"Isto é, em parte, uma consequência do êxito das forças de segurança. Os atentados que conseguiram frustrar são normalmente complexos e sofisticados", frisou o investigador.

Apesar da tendência geral de um menor número de vítimas e ataques mais simples, o terrorismo se expandiu a mais países durante 2016, quando um total de 77 Estados registraram pelo menos um morto por essa causa, comparado com os 65 países em 2015.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos