Esposa defende candidato ao Senado dos EUA acusado de abuso sexual

Washington, 17 nov (EFE).- Kayla Moore, esposa do candidato republicano ao Senado dos EUA acusado de abuso sexual por pelo menos menos oito mulheres, Roy Moore, defendeu seu marido nesta sexta-feira e anunciou que ele não desistirá da disputa apesar da pressão.

"Inclusive depois de todos os ataques contra mim, contra minha família, contra a fundação (dos Moore) e agora contra meu marido, ele não desistirá", disse Kayla Moore em um comparecimento rodeado de mulheres em Montgomery, capital do Alabama.

Oito mulheres, que na maioria tinham entre 14 e 18 anos quando supostamente ocorreram os fatos, acusaram Roy Moore de abuso sexual na década de 70, algo que o candidato a senador pelo Alabama negou.

Apesar da negação, o grupo republicano no Senado, liderado por Mitch McConell, pediu a desistência de Moore e ameaçou vetá-lo caso ganhe as eleições de 7 de dezembro, nas quais enfrentará o democrata Doug Jones.

No entanto, o presidente americano, Donald Trump, disse na quinta-feira que são os eleitores do Alabama que devem decidir se Moore chegará à câmara Alta, consciente da frágil maioria que seu partido ostenta no Senado e do contratempo que suporia uma vitória de Jones para sua agenda legislativa.

Kayla Moore disse que o jornal "The Washington Post", que publicou a maioria de acusações, teve contato com todo seu entorno e o de seu marido dos últimos 40 anos e que "publica o que alguém diz se nem sequer comprovar os fatos".

"A imprensa progressista, o 'The Washington Post', que apoiou Hillary Clinton, que também apoia nosso oponente, envolve-se nesta eleição, junto a Human Rights Campaign (HRG), ao Partido Democrata e ao establishment de Washington. A mesma gente que ataca o presidente Trump", afirmou Moore.

"Ao povo do Alabama - acrescentou -, obrigado por ser mais inteligente do que acham que são. Vão falar mal de vocês, vão insultar vocês, mas considerem a fonte".

Moore, um ex-juiz de 70 anos, está alinhado com a chamada "direita alternativa" que procura revolucionar o Partido Republicano, e ganhou as primárias de outro candidato que tinha o apoio do "establishment" conservador e de Trump.

As leis estaduais do Alabama não permitem retirar o nome de Moore das cédulas eleitorais, por isso que o Partido Republicano está planejando impulsionar uma campanha para que os eleitores escrevam nas cédulas o nome de outro candidato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos