Protestos por manipulação eleitoral deixam pelo menos 3 mortos na Somália

Hargeisa (Somália), 17 nov (EFE).- Pelo menos três pessoas morreram nas manifestações de ontem à noite e desta sexta-feira no estado separatista de Somalilândia, no norte da Somália, perante acusações opositoras de manipulação eleitoral após o pleito presidencial realizado na última segunda-feira na região.

Os protestos aconteceram nas cidades de Burco, Borama e na capital regional, Hargeisa, redutos do partido opositor Wadani, que denunciou "suspeitas de fraude" por parte do partido governante Kulmiye durante a contagem de votos, que ainda continua em curso.

O candidato do Wadani, Mohamed Abdullahi Irro, pediu aos seus seguidores em uma entrevista coletiva que "evitem a violência" e "façam ouvir sua voz pacificamente", e anunciou que o partido deixará de colaborar com a Comissão Eleitoral até que estas acusações sejam apuradas.

Os observadores internacionais pediram aos partidos políticos que evitem incentivar a violência e que resolvam suas queixas através dos meios estabelecidos pela legislação do estado.

"Os protestos violentos não farão nenhum bem aos interesses de Somalilândia", indicou o líder da delegação de observação, Michael Wallis.

A região, sob domínio britânico até 1960 e com cerca de quatro milhões de habitantes, declarou sua independência da Somália em 1991, ano em que foi derrubado o ditador Mohamed Siad Barre e no qual teve início um período sem governo no país - nas mãos de senhores da guerra e milícias radicais islâmicas - que se estende até hoje.

A transferência de poderes de forma democrática e pacífica após a saída do atual presidente, Ahmed Muhamud Silanyo - do partido Kulmiye, que não se candidatou à reeleição -, era fundamental para legitimar as aspirações independentistas de Somalilândia perante a comunidade internacional e conseguir reconhecimento como um Estado soberano.

Apesar da atual tensão na região, a votação, para a qual estavam aptos a votar 700 mil eleitores, aconteceu na segunda-feira sem incidentes algum e em clima de normalidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos