Política de Trump sobre transexuais no Exército sofre novo revés judicial

Washington, 21 nov (EFE).- A decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de proibir que transexuais façam parte das Forças Armadas do país sofreu nesta terça-feira um novo revés.

O juiz Marvin Garbis, do estado de Maryland, decidiu bloquear a aplicação das normas propostas pelo Pentágono por avaliar que elas estão provocando "consequências dolorosas" em alguns militares.

Em agosto, Trump anunciou a elaboração de uma nova legislação para impedir que transexuais fizessem parte das Forças Armadas dos EUA, uma medida que deveria entrar em vigor no próximo ano.

Para lidar com a situação até que as novas regras entrem em vigor, o presidente encarregou o secretário de Defesa, James Mattis, de adotar uma série de diretrizes provisórias.

Essas medidas suspendem o recrutamento de transexuais e proíbem as operações de mudança de sexo a partir de 22 de março de 2018, com exceção dos casos em que isso seja necessário para a saúde.

São exatamente essas propostas provisórias que foram bloqueadas por Garbis. O juiz avaliou que elas "aprofundam estigmas" contra esses militares transexuais.

A decisão do juiz de Maryland é o segundo revés judicial do projeto de Trump. No fim de outubro, uma juíza federal do Distrito de Columbia bloqueou parte da legislação por considerá-la inconstitucional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos