PUBLICIDADE
Topo

Internacional

A pedido do presidente do Líbano, Hariri decide aguardar para renunciar

22/11/2017 10h28

Beirute, 22 nov (EFE). - O primeiro-ministro do Líbano, Saad Hariri, anunciou nesta quarta-feira em Beirute que decidiu, por enquanto, não apresentar a renúncia oficial a pedido do presidente do Líbano, Michel Aoun.

Num discurso exibido na TV, o político garantiu que entregou o pedido a Aoun, mas que ele solicitou um tempo e Hariri aceitou.

"Apresentei hoje a minha demissão ao presidente (Aoun), que me pediu para esperar, com o objetivo de abordar as razões e consequências (da renúncia). Eu expressei a minha aceitação, na esperança de que isto leve seriamente a um diálogo que possa solucionar as questões", disse Hariri no palácio presidencial.

Mais cedo, Aoun, Hariri e o presidente do Parlamento, Nabih Berri, se encontraram para debater a situação, ao término do desfile militar por ocasião dos 74 anos da independência do Líbano.

O primeiro-ministro, que anunciou de surpresa a sua saída enquanto estava em Riad (Arábia Saudita) no último dia 4, insistiu na "necessidade de se manter afastado dos conflitos regionais". Ele concluiu o discurso agradecendo o carinho que vem recebendo e dizendo confiar na cooperação de todos, especialmente do presidente.

Ontem, o político libanês chegou a Beirute no seu avião particular, depois de uma rápida visita ao Egito e ao Chipre, e depois de passar pela França, aonde chegou no domingo, duas semanas depois de apresentar a renúncia. Logo depois de aterrissar, ele visitou o túmulo do pai, o ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, e agradeceu a mobilização que os libaneses fizeram nos últimos dias pedindo a sua volta.

O Líbano está mergulhado nesta crise política depois da renúncia anunciada por Hariri, que acusou o Irã de se intrometer na política libanesa através do grupo xiita libanês Hezbollah. Após o pedido de demissão, várias grupos do país acusaram o Executivo em Riad de ter forçado o primeiro-ministro a renunciar e de ter retido o político contra a sua vontade, embora a Arábia Saudita e o próprio Hariri tenham negado essas afirmações.

Internacional