ONU consegue reunir delegações de regime sírio e oposição no mesmo edifício

Genebra, 30 nov (EFE).- O mediador da ONU nas conversas de paz sobre o conflito na Síria, Staffan de Mistura, conseguiu reunir nesta quinta-feira as duas delegações, do regime e da oposição, em um mesmo edifício e ao mesmo tempo, mas em salas separadas.

Esta é a primeira vez que isto ocorre em muitos meses, pois, no passado, o enviado especial tinha conseguido aproximar as partes sírias, mas apenas de forma espacial, e este formato foi abandonado posteriormente.

Nas últimas rodadas, De Mistura se limitava a convidar as delegações em horários diferentes e os recebia em momentos diferentes, de modo que as partes não se cruzavam em nenhum momento.

Esta nova rodada começou oficialmente na terça-feira, dia 28, mas com a ausência da delegação governamental síria, que compareceu com um dia de atraso.

Na quarta-feira, De Mistura convidou ambas as delegações em horários distintos, mas decidiu convocá-los hoje ao mesmo tempo e situá-los a poucos metros de distância na sede da ONU em Genebra, no Palácio das Nações.

"Estamos aqui hoje porque eu gostaria de ver as discussões próximas, de forma paralela", disse De Mistura à delegação governamental, liderada pelo embaixador da Síria na ONU em Nova York, Bashar Jaafari.

"É por isso que estarei com vocês no início (da reunião), então irei à outra sala (onde está a oposição), mas o embaixador Ramzy (Ramzy Ezzeldine Ramzy) se encontrará com os senhores e eu voltarei muito em breve", acrescentou o mediador.

Este formato "de proximidade" é uma versão incompleta do objetivo do diplomata ítalo-sueco, que sempre defendeu negociações diretas entre as partes para avançar nas negociações.

O principal empecilho alegado pelo regime de Bashar al Assad para evitar o diálogo direto era que a oposição síria não estava unificada e não havia só uma plataforma com a qual negociar.

Na semana passada, os diferentes grupos da oposição reunidos em Riad, na Arábia Saudita, conseguiram formar uma delegação única ao incluir na Comissão Suprema para as Negociações (CSN) as plataformas do Cairo e de Moscou, que são toleradas pelo regime sírio.

Este fato indicaria a possibilidade de iniciar negociações diretas, mas, para rechaçá-las, o regime alegou o fato de que a CSN disse reiteradas vezes que seu objetivo é a saída de Assad e o início de um eventual período de transição na Síria.

De Mistura se limitou a dizer que não queria imposições de nenhuma das duas partes e pediu a cada uma delas que não deslegitimassem a parte contrária.

Ainda não se sabe quantos dias mais levará esta rodada, mas é esperado que o mediador se dirija à imprensa nesta tarde e ofereça esclarecimentos sobre como prosseguirá o diálogo.

O porta-voz da CSN, Yehia al Aridi, disse após a reunião com De Mistura que a oposição está disposta a ficar em Genebra "o tempo que for necessário", já que deseja estabelecer "negociações sérias sobre a transição", a libertação dos detidos e uma Síria "sem violência para todos os cidadãos".

A oposição unificada apresentou ao enviado especial da ONU ideias para o debate, com foco em "uma solução política como única via para trazer segurança e estabilidade à Síria".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos