Jordânia adverte EUA do perigo de declarar Jerusalém capital de Israel

Amã, 4 dez (EFE).- O ministro de Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, afirmou nesta segunda-feira a seu homólogo americano, Rix Tillerson, que o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel por parte dos Estados Unidos acarretará "repercussões perigosas".

"Qualquer decisão que reconheça Jerusalém como a capital de Israel acarretará repercussões perigosas devido à alta estima que Jerusalém têm não só para palestinos e jordanianos, mas também para mundo árabe e o muçulmano", disse Safadi, citado pela agência oficial jordaniana "Petra".

Segundo a agência, o ministro jordaniano expressou ao secretário de Estado americano a necessidade de preservar o status histórico e legal de Jerusalém e "evitar tomar qualquer decisão que poderia mudar tal status".

Em uma conversa por telefone, Safadi acrescentou a Tillerson que um passo assim "afetaria negativamente os esforços dos Estados Unidos de conseguir a paz entre palestinos e israelenses e provocaria uma maior tensão na região".

A conversa entre ambos ministros acontece depois que na última sexta-feira vários meios de comunicação americanos informaram que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cogita reconhecer Jerusalém como capital de Israel, um gesto que a maioria da comunidade internacional rejeita.

Segundo a "Petra", o chefe da diplomacia jordaniana tem se dirigido à Liga Árabe e à Organização para a Cooperação Islâmica para pedir que os ministros de Exteriores dos países de ambas organizações mantenham contatos para discutir uma possível resposta caso Washington finalmente reconheça Jerusalém como a capital israelense.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos