Quase 200 refugiados são resgadatos em 3 operações no mar Egeu

Atenas, 5 dez (EFE).- Um navio do corpo de fronteiras da União Europeia (UE), Frontex, e duas embarcações da guarda costeira grega resgataram nesta terça-feira 195 refugiados em três operações de salvamento marítimo no mar Egeu.

A patrulha do Frontex salvou nesta manhã 75 pessoas em águas marítimas próximas a Quios e os transferiu até o porto dessa ilha.

A missão marítima seguinte foi feita pela guarda costeira, que resgatou um total de 45 migrantes nas cercanias da ilha de Lesbos e os transportou até o pequeno porto de Skala Sykamina, no norte da ilha.

Na terceira operação, 73 refugiados foram resgatados no litoral de Lesbos e levados até o porto de Mitilene, capital da ilha.

Segundo dados do governo, as ilhas do mar o Egeu acolhem atualmente pouco mais de 15 mil refugiados, dos quais a maioria - em torno de 8 mil - estão em Lesbos, cujo principal acampamento, o de Moria, tem graves problemas de superpopulação.

Atenas foi palco hoje de uma manifestação em frente à sede do Ministério de Migração, convocada pelos prefeitos de Lesbos, Samos e Quios em protesto pela aglomeração de refugiados nas ilhas do Egeu.

Os prefeitos pedem ao governo do primeiro-ministro Alexis Tsipras um maior esforço para descongestionar as ilhas.

"Nossas ilhas são ilhas da democracia, da solidariedade e do humanismo. Não aceitamos que se transformem em ilhas carcerárias", afirmou o prefeito de Lesbos, Spyros Galinos, em declarações à Agência Efe.

Galinos quer que os refugiados sejam transferidos a centros fechados na parte continental do país, algo que não está previsto pelo acordo assinado entre a União Europeia e a Turquia.

O ministro de Migração grego, Yannis Muzalas, insistiu que o acordo entre a UE e a Turquia sobre a devolução de refugiados só permite a mudança para o continente de pessoas que pertencem a grupos vulneráveis ou cuja solicitação de asilo tenha sido aprovada.

Além disso, Muzalas criticou as autoridades locais por não permitirem que seja ampliada a capacidade nos acampamentos.

"Existe uma solução. Na parte continental do país há acampamentos fechados disponíveis nos quais podem ser acolhidas as pessoas que ultrapassam as capacidades das ilhas", afirmou Galinos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos