EUA mobilizam bombardeiro para manobras em gesto de força contra Pyongyang

Seul, 6 dez (EFE).- Os Estados Unidos utilizaram nesta quarta-feira pelo menos um bombardeiro estratégico B-1B nas manobras aéreas que realizam esta semana com a Coreia do Sul na península coreana e que representam uma nova exibição de força perante o desafio armamentista da Coreia do Norte.

O bombardeiro, da base aérea Andersen da ilha de Guam, realizou exercícios de bombardeios simulados com caças furtivos americanos F-22 e F-35 e caças F-15 sul-coreanos como parte das manobras anuais "Vigilant Ace", informou à Agência um porta-voz da Sétima Força Aérea dos EUA.

As manobras aconteceram no campo de Pilsung, na província de Gangwon, 155 quilômetros ao sul da fronteira com a Coreia do Norte, segundo detalhou mais tarde um porta-voz do Ministério de Defesa sul-coreano.

Embora inicialmente tenha se pensado em dois bombardeiros (normalmente o Pentágono costuma enviá-los em dupla à península coreana), nenhuma das duas partes quis confirmar o número de B-1B usados depois que imagens da simulação enviadas aos meios de comunicação mostrassem só um avião participando dos exercícios.

É cada vez mais habitual que os EUA utilizem aviões B-1B para ressaltar uma posição de superioridade militar perante a Coreia do Norte.

A última vez que isso aconteceu foi em 3 de novembro, quando enviou dois deles poucos dias antes da visita do presidente americano, Donald Trump, à Coreia do Sul.

Embora o "Vigilant Ace" tenha frequência anual e já estivesse planejado antes que a Coreia do Norte realizasse na quarta-feira passada seu último teste de mísseis balísticos, o exercício foi empregado como contundente resposta a esse lançamento.

Deste modo, o "Vigilant Ace" - que se prolongará até 8 de dezembro - deste ano é o maior exercício aéreo conjunto já realizado na península coreana, com 230 aeronaves e 12.000 soldados envolvidos.

Os contínuos testes de armas da Coreia do Norte, unidos ao tom belicista usado por Donald Trump e as movimentações militares cada vez mais enérgicas de Washington na península, aumentaram a tensão regional até níveis inéditos desde o final da Guerra da Coreia (1950-1953).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos