Trump diz apoiar solução de dois Estados para israelenses e palestinos

Washington, 6 dez (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira que sua decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel não deve ser interpretada como uma falta de compromisso com o processo de paz entre israelenses e palestinos, e prometeu que fará "todo o possível" para ajudar as partes a consegui-lo.

"Os Estados Unidos apoiarão uma solução de dois Estados se as duas partes chegarem a um acordo", declarou Trump em discurso na sala de recepções diplomáticas da Casa Branca.

Essa é a primeira vez que Trump apoia publicamente a chamada solução de dois Estados na região, um israelense e outro palestino, com fronteiras que seriam estabelecidas em negociação.

Trump buscava com essa afirmação suavizar as críticas dos palestinos e da comunidade internacional ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

Em fevereiro, no entanto, o presidente americano disse que poderia aceitar a solução de um único Estado se isso interessasse às partes em conflito.

A declaração rompeu um precedente estabelecido por seus três antecessores no cargo e colocou a Casa Branca ao lado da direita nacionalista israelense, que defende que essa fórmula apoiada pela comunidade internacional seja ignorada.

Em relação à decisão sobre Jerusalém, Trump afirmou que o anúncio não pretende, de maneira alguma, refletir um desvio do "contundente compromisso" dos EUA em facilitar um acordo durável de paz.

"Os EUA seguem profundamente comprometidos em ajudar a facilitar um acordo de paz que seja aceitável para ambos os lados. Pretendo fazer tudo que estiver em meu poder para ajudar a conseguir esse acordo, e, sem dúvida, Jerusalém é um dos assuntos mais delicados nessa conversa", afirmou o presidente americano.

"Não estamos adotando nenhuma posição em nenhum assunto sobre o status final (das negociações), incluindo as fronteiras específicas da soberania israelense em Jerusalém ou sobre a resolução das fronteiras disputadas. Essas questões devem ser resolvidas pelas partes envolvidas", completou Trump.

O presidente americano também pediu que o "status quo" nos locais sagrados de Jerusalém sejam mantidos.

Além disso, Trump confirmou que o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, viajará para a região nos próximos dias para "reafirmar o compromisso americano de trabalhar com os aliados no Oriente Médio para derrotar o radicalismo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos