Governo e rebeldes da República do Congo pactuam cessar-fogo

Brazzaville, 24 dez (EFE).- O governo da República do Congo e os rebeldes da província de Pool pactuaram um cessar-fogo que põe fim, pelo menos temporariamente, a uma crise violenta na região, que começou em abril de 2016, informam neste domingo veículos de imprensa locais.

O acordo foi assinado ontem por representantes do Executivo e do líder dos rebeldes, o reverendo Ntumi, cujo nome real é Frédéric Bintsamou, e põe fim a uma escalada da violência nesta região nos arredores da província da capital do país, Brazzaville.

Entre as cláusulas pactuadas se destacam o compromisso dos rebeldes de facilitar a entrega às autoridades das armas que atualmente estão em seu poder e a promessa de não impedir um restabelecimento da autoridade do governo em Pool.

Por sua vez, o Executivo se compromete a ajudar na reinserção social e profissional dos combatentes (conhecidos como Ninjas), a reduzir a presença militar na região e a garantir a livre circulação de pessoas e mercadorias lá.

O acordo, no entanto, não garante impunidade para o reverendo Ntumi, que tem contra si uma ordem de busca e apreensão.

O representante de Ntumi na assinatura do acordo, Jean Gustave Ntondo, indicou que "não haverá mais pressa, já que este acordo levou tudo em conta. Ninguém deve impedir que os combatentes Ninjas saiam e vivam em lugares dispostos para eles".

A aplicação do pacto será supervisionada por um Comitê criado especialmente para isso.

A violência na República do Congo cresceu em abril de 2016, após confirmada a vitória eleitoral do presidente, Denis Sassou Nguesso, no poder durante três décadas, nas eleições presidenciais realizadas um mês antes, que foram marcadas pelas denúncias de fraude da comunidade internacional e da oposição.

Os incidentes provocaram o deslocamento de milhares de pessoas, a interrupção da atividade agrária em Pool (uma das regiões mais férteis do país) e a destruição de várias aldeias e infraestruturas.

Os Ninjas tinham assinado acordos em 2003 com o Executivo para abandonar as armas depois de anos de guerras e atos insurgentes que têm sua origem nos anos 1990.

Nguesso chegou ao poder na República do Congo em 1979, alçado pelos militares e ocupou o cargo até 1992, quando perdeu nas primeiras eleições multipartidárias do país.

Voltou ao poder em 1997, após uma curta, porém sangrenta guerra civil na qual foi apoiado por tropas angolanas. Desde então, Nguesso vem se mantendo no poder após ganhar as eleições em 2002 e ser reeleito em 2009 e 2016.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos