PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Indultado por Kuczynski, Fujimori se livra de processo por massacre

25/12/2017 16h23

Lima, 25 dez (EFE).- O ex-presidente peruano Alberto Fujimori, que foi indultado horas antes do Natal pelo atual mandatário do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, não se salvou apenas de uma condenação de 25 anos de prisão por violações aos direitos humanos, mas também de outro processo similar que estava em andamento.

Além do indulto, Kuczynski concedeu a Fujimori a graça presidencial "para todos os processos penais até a data que se encontram vigentes", segundo a resolução do indulto publicada nesta segunda-feira na edição impressa do diário oficial "El Peruano".

Esse indulto significa que Fujimori se salva de ser processado e julgado pelo caso Pativilca, no qual o ex-governante é acusado de ser responsável pelo massacre de seis pessoas em 1992 a cargo do grupo militar Colina.

Os seis mortos tinham sido detidos depois de invadirem os domicílios dos militares em Pativilca, município situado ao norte de Lima.

Fujimori já havia sido condenado em 2009 a 25 anos de prisão por responsabilidade em outros massacres similares cometidos pelo grupo Colina, como os de Barrios Altos e La Cantuta, nos quais morreram 25 pessoas em 1992, além dos sequestros de um jornalista e um empresário no mesmo ano.

Esses são considerados crimes contra a humanidade, por isso Fujimori não tinha direito a uma eventual redução de pena, a menos que o atual presidente o concedesse um indulto humanitário, um perdão extraordinário para reclusos com doenças graves e com risco de piorar devido às condições carcerárias.

O indulto foi concedido a Fujimori horas antes do Natal e apenas três dias após Kuczynski se salvar de ser destituído pelo Congresso graças aos votos de fujimoristas rebeldes e liderados por Kenji Fujimori, filho caçula do ex-presidente, que havia pedido a Kuczynski que indultasse seu pai.

Fujimori, de 79 anos, se encontra atualmente em uma clínica de Lima, onde no domingo recebeu a notícia do indulto acompanhado dos filhos, após ter sido transferido na sexta-feira da prisão onde cumpria pena. Após a internação, o ex-presidente não precisará voltar à prisão.

Segundo a resolução do indulto, Fujimori sofre de fibrilação auricular paroxística, hipertensão, insuficiência mitral, câncer de língua - do qual foi operado seis vezes, e hérnia lombar.

Internacional