Israel nega acusação iraniana de fomentar incidentes nas manifestações

Jerusalém, 1 jan (EFE).- O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, negou nesta segunda-feira a acusação do presidente iraniano, Hassan Rohani, de que Israel está por trás dos incidentes que ocorreram durante as manifestações dos últimos dias no Irã e nos quais morreram dez pessoas.

Em comunicado do seu escritório, Netanyahu qualificou de "falsas" e "hilariantes" as acusações de Rohani e disse que sua resposta passa por "não insultar o povo iraniano", pois esse "merece algo melhor que isso".

O chefe do governo israelense elogiou os "valentes" manifestantes e suas reivindicações por "liberdade" e "justiça", e se referiu ao "cruel regime iraniano" que gasta "milhões de dólares para disseminar o ódio" ao invés de construir escolas e hospitais para os seus próprios cidadãos.

Netanyahu criticou ainda os governos europeus por ficar em silêncio enquanto os "jovens heroicos iranianos são golpeados nas ruas", e terminou dizendo que "iranianos e israelenses voltarão a ser grande amigos, quando caia a República islâmica, algo que acontecerá algum dia".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos