Serviços de inteligência do Irã detêm pessoas envolvidas nos protestos

Teerã, 1 jan (EFE).- O Ministério de Inteligência do Irã informou nesta segunda-feira que seus agentes identificaram e detiveram vários "impulsores" dos recentes distúrbios ocorridos nas manifestações de protesto contra o governo do país dos últimos cinco dias.

Em comunicado, os responsáveis da Inteligência iraniana assinalaram que outros implicados estão sendo procurados e em breve serão tratados com severidade.

Até agora 11 pessoas morreram, dez civis e um policial, e outras 300 ficaram feridas nas manifestações realizadas contra o regime da República Islâmica do Irã desde quinta-feira.

A lei iraniana de crimes políticos penaliza qualquer manifestação considerada "contrária à gestão do país e às suas instituições políticas e às políticas nacionais e exteriores".

O Ministério do Interior iraniano deixou claro que não se outorgou nenhuma permissão para convocar manifestações, razão pela qual até agora qualquer uma delas é ilegal.

Cerca de 300 pessoas foram detidas nos incidentes, que não parecem diminuir, apesar dos apelos do presidente Hassan Rohani, e do fato de as autoridades terem vetado o acesso às redes sociais para evitar novas convocações.

Durante os protestos, os manifestantes cantaram fortes lemas, em algumas ocasiões contra o sistema da República Islâmica, Rohani e o líder supremo do país, Ali Khamenei.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos