Trump afirma que "é hora de mudança" no Irã após protestos

Washington, 1 jan (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que "o grande povo iraniano foi reprimido durante muitos anos" e que "é hora de uma mudança" no país, depois de vários dias de protestos contra as políticas econômicas do governo do Irã que deixaram 10 mortos e 200 detidos.

"O Irã está fracassando em todos os níveis apesar do terrível acordo que fez com a Administração (do ex-presidente americano Barack) Obama", escreveu Trump em sua conta no Twitter.

"O grande povo iraniano foi reprimido durante muitos anos. Estão famintos por comida e liberdade. Junto com os direitos humanos, a riqueza do Irã está sendo saqueada. É HORA DE UMA MUDANÇA!", acrescentou.

Trump está há vários dias se manifestando sobre a situação no Irã, e neste domingo acusou o governo do país de "fechar a internet para que os manifestantes pacíficos não possam comunicar-se" e acabar com os protestos antigovernamentais, depois que as autoridades iranianas cortassem totalmente o acesso às redes sociais.

Em comunicado na última hora de domingo, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, ressaltou que os Estados Unidos "apoiam o direito do povo iraniano a expressar-se pacificamente" e disse que "suas vozes merecem ser ouvidas".

"Encorajamos todas as partes a proteger este direito fundamental à liberdade de expressão e evitar qualquer ação que contribua para a censura", destacou Sanders em comunicado.

Segundo informou hoje a televisão estatal iraniana, já são 10 os mortos e 200 os detidos nos protestos contra o regime que começaram na quinta-feira passada na cidade de Mashhad e continuaram em outras localidades do país, onde os relatórios oficiais falam de feridos, mas não os quantificam.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, disse hoje que os inimigos da República Islâmica não toleraram os sucessos obtidos por seu país com o acordo nuclear e na região e que, para vingar-se, estimularam as pessoas a protestar.

"O nosso progresso para eles era intolerável, o nosso êxito no mundo da política perante os Estados Unidos e o regime sionista (em referência a Israel) foi intolerável para eles", disse hoje Rohani em reunião com os chefes das comissões do parlamento do país, em declarações divulgadas pela agência de notícias iraniana "ILNA".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos